Índice Remédio ARIXTRA

Apresentações
Solução injetável para:
- Uso subcutâneo e
- Uso IV (somente apresentação de 2,5 mg. Ver Posologia, Precauções a Advertências e Modo de Usar)
Apresentado em embalagens contendo 2, 7, 10 ou 20 seringas.
USO ADULTO
Composição
Cada seringa pode conter:
- 2,5 mg de fondaparinux sódico em 0,5 ml de solução para injeção, ou
- 5,0 mg de fondaparinux sódico em 0,4 ml de solução para injeção, ou
- 7,5 mg de fondaparinux sódico em 0,6 ml de solução para injeção, ou
- 10,0 mg de fondaparinux sódico em 0,8 ml de solução para injeção.
Excipientes: cloreto de sódio, água para injeção (ácido clorídrico ou hidróxido de sódio para ajuste do pH, conforme necessário).
Indicações
Prevenção de Eventos Tromboembólicos Venosos em pacientes submetidos à cirurgia ortopédica de grande porte dos membros inferiores, tais como:
- fratura de quadril, incluindo profilaxia estendida;
- cirurgia de substituição de quadril;
- cirurgia de substituição de joelho.
Prevenção de Eventos Tromboembólicos Venosos em pacientes submetidos à cirurgia abdominal que estão sob o risco de complicações tromboembólicas.
Prevenção de Eventos Tromboembólicos Venosos em pacientes que estão sob o risco de complicações tromboembólicas pela mobilidade restringida durante doença aguda.
Tratamento de Trombose Venosa Profunda (TVP).
Tratamento de Tromboembolismo Pulmonar agudo (TEP).
Tratamento da angina instável ou da síndrome coronariana aguda caracterizada por infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST para a prevenção de morte, de infarto do miocárdio e de isquemia refratária.
Tratamento de síndrome coronariana aguda caracterizada por infarto do miocárdio com elevação do segmento ST para a prevenção de morte e de re-infarto do miocárdio em pacientes que foram tratados com trombolíticos ou que inicialmente não receberam nenhuma outra modalidade de terapia de reperfusão.
Caract farmacológicas
Farmacodinâmica
Grupo farmacoterapêutico: agentes antitrombóticos.
Mecanismo de Ação
O fondaparinux é um inibidor sintético e seletivo do Fator X ativado (Xa). A atividade antitrombótica de fondaparinux é o resultado da inibição seletiva do Fator Xa mediada pela antitrombina III (ATIII). Através da ligação seletiva à ATIII, o fondaparinux potencializa (em cerca de 300 vezes) a neutralização fisiológica do Fator Xa pela ATIII. A neutralização do Fator Xa interrompe a cascata da coagulação sangüínea e inibe tanto a formação de trombina, como o desenvolvimento do trombo.
O fondaparinux não inativa a trombina (Fator II ativado) e não possui nenhum efeito conhecido sobre a função plaquetária.
Efeitos Farmacodinâmicos
Na dose de 2,5 mg, o fondaparinux não tem um efeito clinicamente relevante nos testes de coagulação de rotina, tais como os testes plasmáticos de tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPa), tempo de coagulação ativado (TCA) ou o tempo de protrombina (TP)/Razão de Normalização Internacional (RNI), nem no tempo de sangramento ou na atividade fibrinolítica. Entretanto, foram recebidos relatos espontâneos raros de TTPa elevados na dose de 2,5 mg.
O fondaparinux não dá reação cruzada com o soro de pacientes com Trombocitopenia Induzida por Heparina (TIH) do tipo II.
Atividade anti-Xa
A farmacodinâmica/farmacocinética do fondaparinux são derivadas das concentrações plasmáticas de fondaparinux quantificadas através da atividade do Fator Xa. Somente o fondaparinux pode ser usado para calibrar o ensaio anti-Xa. Os padrões internacionais de heparina ou de heparina de baixo peso molecular (HBPM) não são apropriados para este uso. Como resultado, a concentração de fondaparinux é expressa em miligramas do calibrador de fondaparinux/litro.
Farmacocinética
Absorção
Após administração subcutânea, o fondaparinux é completa e rapidamente absorvido (biodisponibilidade absoluta de 100%). Após uma única injeção subcutânea de ARIXTRA® de 2,5 mg em indivíduos jovens saudáveis, o pico de concentração plasmática, uma Cmáx de 0,34 mg/l, é alcançada em aproximadamente 2 horas. As concentrações plasmáticas correspondentes à metade dos valores médios de Cmáx são alcançadas 25 minutos após a administração.
Em indivíduos idosos saudáveis, a farmacocinética do fondaparinux é linear na faixa de 2 a 8 mg pela via subcutânea. Após a administração subcutânea uma vez ao dia, o estado de equilíbrio dos níveis plasmáticos é obtido após 3 a 4 dias com um aumento de 1,3 vezes na Cmax e na Área Sob a Curva (AUC). Após a administração intravenosa in bolus em indivíduos idosos saudáveis, a farmacocinética do fondaparinux se manteve linear ao longo da faixa terapêutica.
Em pacientes submetidos à cirurgia de substituição de quadril recebendo 2,5 mg de ARIXTRA® subcutâneo uma vez ao dia, o pico da concentração plasmática no estado de equilíbrio é de, na média, 0,39 a 0,50 mg/ml e é alcançado aproximadamente 3 horas após a dose. Nestes pacientes, a concentração plasmática mínima no estado de equilíbrio é de 0,14 a 0,19 mg/ml.
Em pacientes com trombose venosa profunda sintomática e tromboembolismo pulmonar submetidos a tratamento com 5 mg (peso corporal menor que 50 kg), 7,5 mg (peso corporal de 50 a 100 kg) e 10 mg (peso corporal maior que 100 kg) de ARIXTRA® subcutâneo uma vez ao dia, as doses ajustadas de acordo com o peso corporal fornecem picos médios no estado de equilíbrio e concentrações plasmáticas mínimas similares ao longo de todas as categorias de peso corporal. O pico médio da concentração plasmática no estado de equilíbrio está na faixa de 1,20 a 1,26 mg/l. Nestes pacientes, a concentração plasmática média mínima no estado de equilíbrio está na faixa de 0,46 a 0,62 mg/l.
Distribuição
Em adultos saudáveis, o fondaparinux administrado via subcutânea ou intravenosa se distribui principalmente no sangue e somente uma menor fração no fluido extravascular, conforme demonstrado pelo volume aparente de distribuição no estado de equilíbrio e no estado de não equilíbrio de 7 a 11 litros. In vitro, o fondaparinux está altamente (pelo menos 94%) e especificamente ligado à antitrombina III (ATIII) e não se liga significativamente a outras proteínas plasmáticas, incluindo o Fator plaquetário 4 (PF4) ou as células sangüíneas vermelhas.
Metabolismo
O metabolismo in vivo do fondaparinux não foi pesquisado, já que a maioria da dose administrada é eliminada inalterada na urina em indivíduos com função renal normal.
Eliminação
O fondaparinux é eliminado na urina principalmente como a droga inalterada. Em indivíduos saudáveis, 64 a 77% da dose única subcutânea ou intravenosa é eliminada na urina em 72 horas. A meia-vida de eliminação é de cerca de 17 horas em indivíduos jovens saudáveis e de cerca de 21 horas em indivíduos idosos saudáveis. Em pacientes com função renal normal, o clearance médio de fondaparinux é 7,82 ml/min.
Populações Especiais de Pacientes
• Insuficiência renal
A eliminação do fondaparinux é prolongada em pacientes com insuficiência renal, já que a via principal de eliminação é a excreção urinária da droga de forma inalterada. Em pacientes submetidos à profilaxia após cirurgia eletiva de quadril ou cirurgia de fratura de quadril, o clearance total do fondaparinux é aproximadamente 25% menor em pacientes com insuficiência renal leve (clearance de creatinina de 50 a 80 ml/min), aproximadamente 40% menor em pacientes com insuficiência renal moderada (clearance de creatinina de 30 a 50 ml/min) e aproximadamente 55% menor em pacientes com insuficiência renal grave (menos de 30 ml/min), em comparação com os pacientes com função renal normal. Os valores associados de meia-vida terminal foram de 29 horas em pacientes com insuficiência renal moderada e de 72 horas em pacientes com insuficiência renal grave. Uma relação similar entre o clearance do fondaparinux e a extensão do comprometimento renal foi observada em pacientes em tratamento da Trombose Venosa Profunda (TVP).
Prevenção de eventos trombolíticos venosos
Um modelo farmacocinético de população foi desenvolvido usando dados obtidos de pacientes que se submeteram à cirurgia ortopédica maior dos membros inferiores (MOSLL) recebendo fondaparinux e incluíram pacientes com clearance de creatinina tão baixos quanto 23,5 ml/min. Simulações farmacocinéticas usando esse modelo mostraram que exposições médias de fondaparinux em pacientes com clearance de creatinina entre 20-30 ml/min, recebendo 1,5 mg, uma vez ao dia ou 2,5 mg e em dias alternados foram semelhantes àquelas observadas em pacientes com disfunção renal leve a moderada (clearance de creatinina de 30 a 80 ml/min) recebendo 2,5 mg uma vez ao dia (vide Posologia e Advertências).
• Insuficiência hepática
Espera-se que concentrações livres de fondaparinux sejam inalteradas em pacientes com disfunção hepática leve a moderada e, portanto, nenhum ajuste de dose é necessário com base na farmacocinética. Após uma dose subcutânea, única de fondaparinux em indivíduos com disfunção hepática moderada (Categoria B Child-Pugh), Cmax e ASC foram reduzidas em 22% e 39%, respectivamente, conforme comparadas com indivíduos com a função hepática normal. As concentrações plasmáticas menores de fondaparinux foram atribuídas à ligação reduzida a ATIII, secundária às concentrações plasmáticas de ATIII inferiores em indivíduos com disfunção hepática, dessa forma, resultando em clearance renal elevado de fondaparinux
A farmacocinética do fondaparinux não foi estudada em pacientes com insuficiência hepática.
• Crianças
O uso de ARIXTRA® não foi avaliado em crianças com menos de 17 anos.
• Idosos
A eliminação do fondaparinux é prolongada em pacientes com mais de 75 anos de idade. Em estudos avaliando a profilaxia com 2,5 mg de ARIXTRA® em cirurgia de fratura de quadril ou cirurgia eletiva de quadril, o clearance total de fondaparinux foi aproximadamente 25% menor em pacientes com mais de 75 anos, quando comparados com pacientes com menos de 65 anos. Uma relação similar entre o clearance de fondaparinux e a idade foi observada em pacientes em tratamento de TVP.
• Sexo
Nenhuma diferença entre os sexos foi observada após o ajuste quanto ao peso corporal.
• Raça
As diferenças farmacocinéticas em função da raça não foram estudadas prospectivamente. Contudo, estudos realizados em indivíduos saudáveis asiáticos (japoneses) não revelaram um perfil farmacocinético diferente, em comparação a indivíduos caucasianos saudáveis. De modo similar, com base nos resultados da análise farmacocinética populacional conduzida em pacientes submetidos à cirurgia ortopédica, nenhuma diferença no clearance plasmático foi observada entre pacientes negros e caucasianos.
• Peso corporal
A depuração plasmática do fondaparinux aumenta com o peso corporal (9 % para cada 10 Kg de peso).
Contraindicações
- Hipersensibilidade conhecida a ARIXTRA® ou a qualquer um dos excipientes.
- Sangramento ativo clinicamente significativo.
- Endocardite bacteriana aguda.
- Comprometimento renal grave definido pelo clearance de creatinina < 20 ml/min.
Advertências e precauções
Via de administração - ARIXTRA® não deve ser administrado via intramuscular.
ICP e risco de trombo no catéter percutâneo - Em pacientes com infarto do miocárdio com elevação do segmento ST submetidos a ICP primária para reperfusão o uso de ARIXTRA® antes e durante a ICP não é recomendado. Em pacientes com angina instável ou infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST e com infarto do miocárdio com elevação do segmento ST submetidos a ICP não primária, o uso de ARIXTRA® como único anticoagulante durante a ICP não é recomendado, sendo assim uma HNF deve ser usada de acordo com a prática local.
Existem dados limitados no uso de HNF durante a ICP não primária em pacientes tratados com ARIXTRA®. Naqueles pacientes que foram submetidos a ICP não-primária 6-24 horas depois da última dose de ARIXTRA®, a dose mediana de HNF foi de 8.000 IU e a incidência de hemorragia significativa foi de 2% (2/98). Naqueles pacientes que foram submetidos à ICP não primária < 6 horas depois da última dose de ARIXTRA®, a dose mediana de HNF foi de 5.000 IU e a incidência de hemorragia significativa foi de 4,1% (2/49).
Estudos clínicos mostraram um baixo risco de trombo no catéter percutâneo em pacientes tratados exclusivamente com ARIXTRA® para anticoagulação durante a ICP, porém um risco aumentado quando comparado com o controle. A incidência durante a ICP não primária em angina instável ou infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST foi 1,0% vs 0,3% (ARIXTRA® vs enoxaparina) e durante a ICP primária em infarto do miocárdio com elevação do segmento ST foi 1,2% vs 0% (ARIXTRA® vs controle).
Hemorragia - ARIXTRA®, como outros anticoagulantes, deve ser usado com cautela em condições nas quais haja um risco aumentado de hemorragia (tais como distúrbios congênitos ou adquiridos envolvendo sangramento, doença gastrintestinal ulcerativa ativa, hemorragia intracraniana recente, logo após cirurgia cerebral, espinhal ou oftálmica).
Agentes que podem aumentar o risco de hemorragia não devem ser administrados concomitantemente com fondaparinux. Esses agentes incluem desirudina, agentes fibrinolíticos, antagonistas do receptor GP IIb/IIIa, heparina, heparinoides ou heparina de baixo peso molecular (HBPM). Quando necessário, o tratamento concomitante com antagonista de vitamina K deve ser administrado. Outros agentes antiplaquetários (ácido acetilsalicílico, dipiridamol, sulfinpirazona, ticlopidina ou clopidogrel) e NSAIDs devem ser usados com cautela. Se a coadministração for essencial, o monitoramento rigoroso é necessário.
- Prevenção e tratamento de Eventos Tromboembólicos Venosos
Outros medicamentos que aumentem o risco de hemorragia, com exceção dos antagonistas de vitamina K usados concomitantemente para o tratamento de eventos tromboembólicos venosos, não devem ser administrados com ARIXTRA®. Se a co-administração for essencial, o estrito monitoramento é recomendado (Veja Interações).
- Prevenção de Eventos Tromboembólicos Venosos após cirurgia (tempo da primeira injeção de ARIXTRA®)
O momento da primeira injeção requer a estrita aderência. A primeira dose deve ser dada não antes de 6 horas após o término da cirurgia e somente após o estabelecimento da hemostase. A administração antes das 6 horas tem sido associada a um risco aumentado de sangramento de grande porte. Grupos de pacientes, com risco particular, são aqueles a partir dos 75 anos de idade, com peso corporal menor que 50 kg ou com insuficiência renal com clearance de creatinina menor que 50 ml/min.
- Tratamento de angina instável ou infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST e infarto do miocárdio com elevação do segmento ST
ARIXTRA® deve ser usado com cautela em pacientes que estejam fazendo tratamento concomitante com outras drogas que aumentem o risco de hemorragia (como inibidores da GPIIb/IIIa ou trombolíticos).
Anestesia espinhal/epidural ou punção lombar - Hematomas epidurais ou espinhais que podem resultar em paralisia de longa duração ou permanente, podem ocorrer com o uso de anticoagulantes e anestesia espinhal/epidural ou punção lombar. O risco destes raros eventos pode ser aumentado com o uso pós-operatório de catéteres epidurais de longa permanência ou o uso concomitante de outros medicamentos que afetem a hemostasia.
Pacientes idosos - A população idosa está sob risco aumentado de sangramento. Como a função renal geralmente diminui com a idade, os pacientes idosos podem mostrar eliminação reduzida e exposição aumentada ao ARIXTRA®. ARIXTRA® deve ser usado com cautela em pacientes idosos (veja Posologia).
Baixo peso corporal - Pacientes com peso corporal menor que 50 kg estão sob risco aumentado de sangramento. A eliminação de ARIXTRA® diminui com a diminuição do peso. ARIXTRA® deve ser usado com cautela nestes pacientes (veja Posologia).
Insuficiência renal - O clearance plasmático do fondaparinux diminui com a gravidade da insuficiência renal e está associado a um risco aumentado de hemorragia (veja Farmacocinética). Paciente com insuficiência renal, particularmente aqueles com clearance de creatinina menor que 30 ml/min apresentam risco aumentado de episódios de sangramento e de eventos tromboembólicos venosos.
- Prevenção de Eventos Tromboembólicos Venosos
Existem limitados dados clinicos disponíveis para o uso de fondaparinux na prevenção de eventos tromboembólicos venosos em pacientes com clearance da creatinina menor que 20 ml/min. Sendo assim, ARIXTRA® não é recomendado na prevenção de eventos tromboembólicos venosos nestes pacientes (veja Posologia e Farmacocinética).
- Tratamento de Eventos Tromboembólicos Venosos
Existem limitados dados clinicos disponíveis para o uso de fondaparinux no tratamento de eventos tromboembólicos venosos em pacientes com clearance da creatinina menor que 30 ml/min. Sendo assim, ARIXTRA® não é recomendado no tratamento de eventos tromboembólicos venosos nestes pacientes (veja Posologia e Farmacocinética).
- Tratamento de angina estável ou infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST e infarto do miocárdio com elevação do segmento ST
Para o tratamento de angina instável ou infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST e infarto do miocárdio com elevação do segmento ST, existem dados clínicos limitados sobre o uso de ARIXTRA® 2,5 mg uma vez ao dia em pacientes com clearance de creatinina entre 20 e 30 ml/min. Sendo assim, o médico deverá determinar se os benefícios do tratamento superam os riscos (veja Posologia, Modo de Usar e Farmacocinética).
ARIXTRA® não é recomendado em pacientes com clearance de creatinina menor que 20 ml/min.
Insuficiência hepática grave - Em pacientes com uma elevação no tempo de protrombina, o uso de ARIXTRA® deve ser considerado com cautela, porque há um risco aumentado de sangramento por uma possível deficiência dos fatores de coagulação em pacientes com insuficiência hepática grave (veja Posologia).
Trombocitopenia Induzida pela Heparina - ARIXTRA® não se liga ao fator plaquetário 4 e não dá reação cruzada com o soro de pacientes com Trombocitopenia Induzida pela Heparina (TIH) tipo II. Ele deve ser usado com cautela em pacientes com um histórico de TIH. A eficácia e a segurança de ARIXTRA® não foram formalmente estudadas em TIH do tipo II. Foram recebidos relatos espontâneos raros de TIH em pacientes tratados com ARIXTRA®. Até agora não foi estabelecido uma associação causal entre o tratamento de ARIXTRA® e a ocorrência de TIH.
Alergia ao látex: a capa da agulha da seringa preenchida contém borracha de látex natural que tem potencial de causar reações alérgicas em indivíduos sensíveis ao látex.
Gravidez
Há limitados dados clínicos disponíveis sobre a exposição durante a gravidez. ARIXTRA® não deve ser prescrito às mulheres grávidas a menos que o benefício exceda o risco.
Categoria C de risco na gravidez
Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas ou que estejam amamentando sem orientação médica. Informe ao seu médico se ocorrer gravidez ou iniciar amamentação durante o uso deste medicamento.
Lactação
O fondaparinux é excretado no leite das ratas, mas não se sabe se o mesmo é excretado no leite humano. A amamentação não é recomendada durante o tratamento com ARIXTRA®.
Efeitos na Capacidade de Dirigir e Usar Máquinas
Nenhum estudo sobre o efeito na habilidade de dirigir e de usar máquinas foi realizado.
Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco
Crianças e Adolescentes
A segurança e a eficácia de ARIXTRA® em pacientes com idade inferior a 17 anos não foram estabelecidas.
Idosos (a partir dos 75 anos)
ARIXTRA
® deve ser usado com cautela em pacientes idosos, já que a função renal diminui com a idade (veja Insuficiência renal e Advertências). Em pacientes submetidos à cirurgia, o momento da primeira dose de ARIXTRA® requer rigoroso monitoramento (veja Advertências).
Pacientes com peso corporal menor que 50 kg
Pacientes com peso corporal menor abaixo de 50 kg estão sob risco aumentado de sangramento (veja Advertências). Em pacientes submetidos à cirurgia, o momento da primeira dose de ARIXTRA® requer rigoroso monitoramento (veja Advertências).
Insuficiência Renal
Prevenção de Eventos Tromboembólicos Venosos
Nenhuma redução na dosagem é requerida para pacientes com clearance de creatinina maior ou igual a 30ml/min.
Em pacientes com clearance da creatinina entre 20 a 30 ml/min nos quais o médico determina que o benefício de tromboprofilaxia excede o risco, é recomendada a dose de 2,5 mg em dias alternados (cada dose separadas aproximadamente por 48 horas) (veja Advertências).
Em pacientes submetidos à cirurgia, o momento da primeira dose de ARIXTRA® requer rigoroso monitoramento.
Tratamento de Eventos Tromboembólicos Venosos
Nenhuma redução na dosagem é requerida para pacientes com clearance de creatinina maior ou igual a 30ml/min.
ARIXTRA® não deve ser usado em pacientes com clearance de creatinina menor que 20ml/min (veja Advertências e Farmacocinética).
Tratamento de angina instável ou infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST e infarto do miocárdio com elevação do segmento ST
Não é recomendado o uso de ARIXTRA® em pacientes com clearance de creatinina menor que 20ml/min (veja Advertências). Nenhuma redução na dosagem é requerida para pacientes com clearance de creatinina maior ou igual a 20ml/min.
Insuficiência hepática
Nenhum ajuste na dosagem de ARIXTRA® é necessário em pacientes com insuficiência hepática leve a moderada (veja Farmacocinética). Em pacientes com insuficiência hepática grave, ARIXTRA® deve ser usado com cautela (veja Advertências).
Interações medicamentosas
O fondaparinux não inibe consideravelmente os CYP450s (CYP1A2, CYP2A6, CYP2C9, CYP2C19, CYP2D6, CYP2E1 ou CYP3A4) in vitro. Assim, não se espera que ARIXTRA® interaja com outros medicamentos in vivo através da inibição do metabolismo mediado pelo CYP.
Como o fondaparinux não se liga significativamente às proteínas plasmáticas, a não ser a ATIII, nenhuma interação com outros medicamentos através do deslocamento da ligação protéica é esperada.
O risco hemorrágico é aumentado com utilização concomitante de fondaparinux e fármacos que aumentem a possibilidade de ocorrência de hemorragias (ver Advertências).
Em estudos clínicos realizados com fondaparinux, o uso concomitante de varfarina (anticoagulante oral), o ácido acetilsalicílico (inibidor plaquetário), piroxicam (antiinflamatório não-esteroidal) e a digoxina (glicosídeo cardíaco) não afetaram significativamente a farmacocinética ou a farmacodinâmica do fondaparinux. Além disto, o fondaparinux não influenciou a atividade RNI da varfarina, nem o tempo de sangramento sob tratamento com ácido acetilsalicílico ou piroxicam, nem a farmacocinética ou a farmacodinâmica da digoxina no estado de equilíbrio.
Cuidados de armazenamento
Seringas de 2,5mg
Conservar em temperatura abaixo de 25°C. Não congelar.
Seringas de 5mg, 7,5mg e 10mg
Conservar em temperatura entre 15°C e 30°C. Não congelar.
Posologia e modo de usar
Modo de usar e cuidados de conservação depois de aberto
As soluções parenterais devem ser inspecionadas visualmente quanto à presença de material particulado ou de descoloração, antes da administração.
A seringa preenchida de ARIXTRA® foi planejada para conter um sistema de proteção automático da agulha, de modo a prevenir ferimentos pela perfuração com a agulha após a injeção.
Qualquer produto não usado ou material residual devem ser descartados.
Via de administração subcutânea
Os locais de administração subcutânea devem ser alternados entre a parede abdominal antero-lateral esquerda e direita e posterolateral esquerda e direita. Para evitar a perda de medicamento quando estiver usando a seringa preenchida, não expelir a bolha de ar da seringa antes da injeção. Toda a extensão da agulha deve ser inserida perpendicularmente em uma prega da pele mantida entre o polegar e o indicador. A prega na pele deve ser mantida durante a aplicação da injeção.
ARIXTRA® destina-se ao uso sob orientação de um médico. Os pacientes podem se auto-injetar somente se seus médicos determinarem que isto seja apropriado e com o acompanhamento médico, conforme necessário. O treinamento apropriado na técnica de injeções subcutâneas deve ser fornecido. As instruções para a auto-administração estão descritas na Seção 2 "Informações ao Paciente", Item 4. "Como devo usar este medicamento?".
Via de administração intravenosa (primeira dose em pacientes com infarto do miocárdio com elevação do segmento ST somente)
A administração intravenosa deve ser feita somente através de cateter intravenoso, diretamente ou através de um pequeno volume de solução salina 0,9% (25 ou 50 ml). Para evitar a perda de medicamento quando estiver usando a seringa preenchida, não expelir a bolha de ar da seringa antes da injeção. Se for administrado diretamente, deve-se passar uma solução salina pelo cateter após a injeção, para garantir que todo o medicamento foi administrado. No caso de administrar através de solução salina, a infusão deve ocorrer entre 1 e 2 minutos.
Se ARIXTRA® for adicionado a uma mini-bolsa de solução salina 0,9 %, ele deve ser infundido imediatamente, podendo ser armazenado a temperatura ambiente por até 24 horas.
Posologia
Adultos
Prevenção de eventos tromboembólicos venosos
Cirurgia ortopédica e abdominal
: a dose recomendada de ARIXTRA® é de 2,5 mg uma vez ao dia, administrados após a cirurgia através de injeção subcutânea.
O momento da primeira dose não deve ser antes de 6 horas após o término da cirurgia e somente após o estabelecimento da hemostasia (veja Advertências).
O tratamento deve ser continuado até que o risco de tromboembolismo venoso tenha diminuído, usualmente até que o paciente esteja deambulando, pelo menos 5 a 9 dias após a cirurgia.
A experiência mostra que em pacientes submetidos à cirurgia de fratura de quadril, o risco de eventos tromboembólicos venosos continua além dos 9 dias após a cirurgia. Nestes pacientes, o uso de profilaxia prolongada com ARIXTRA® deve ser considerado por até 24 dias adicionais.
Pacientes sob o risco de complicações tromboembólicas: a dose recomendada de ARIXTRA® é de 2,5 mg uma vez ao dia, administrados através de injeção subcutânea. Uma duração de tratamento de 6 a 14 dias foi clinicamente estudada nos pacientes.
Tratamento de trombose venosa profunda (TVP) e tromboembolismo pulmonar agudo (TEP)
A dose recomendada de ARIXTRA® a ser administrada através de injeção subcutânea uma vez ao dia é de:
- 5 mg para peso corporal menor que 50 kg;
- 7,5 mg para peso corporal de 50 a 100 kg;
- 10 mg para peso corporal maior que 100 kg.
O tratamento deve ser continuado por pelo menos 5 dias e até que a anticoagulação oral adequada esteja estabelecida (Razão Internacional Normalizada, 2 para 3). O tratamento concomitante com antagonistas de vitamina K deve ser iniciado tão logo seja possível, usualmente dentro de 72 horas. A duração usual do tratamento com ARIXTRA® é de 5 a 9 dias.
Tratamento de angina instável/infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST
A dose recomendada de ARIXTRA® é de 2,5 mg uma vez ao dia, via injeção subcutânea. O tratamento deve iniciar tão logo seja feito o diagnóstico e continuado por até 8 dias ou até a alta hospitalar se ocorrer mais cedo.
Se um paciente é submetido à intervenção coronariana percutânea (ICP) enquanto estiver fazendo uso de ARIXTRA®, uma heparina não fracionada (HNF), segundo a prática padrão, deve ser administrada adicionalmente durante a ICP, levando em consideração o risco potencial do paciente desenvolver hemorragia, incluindo o tempo desde a última dose de fondaparinux (veja Advertências).
O tempo para recomeçar a administração subcutânea de ARIXTRA® após remoção do catéter percutâneo deve ser baseado em julgamento clínico. No estudo clínico de angina instável/infarto do miocárdio sem elevação do segmento ST, o tratamento não foi reiniciado antes de 2 horas após remoção do catéter percutâneo.
Em pacientes que foram submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio, ARIXTRA®, quando possível, não deve ser administrado durante as 24 horas que antecedem a cirurgia e deve ser recomeçado 48 horas após a cirurgia.
Tratamento de infarto do miocárdio com elevação do segmento ST
A dose recomendada de ARIXTRA® é de 2,5 mg uma vez ao dia. A primeira dose deve ser administrada via intravenosa, e as doses subseqüentes via injeção subcutânea. O tratamento deve iniciar tão logo seja feito o diagnóstico e continuado por até 8 dias ou até a alta do hospital se ocorrer mais cedo.
Se um paciente é submetido à intervenção coronariana percutânea (ICP) não primária enquanto estiver fazendo uso de ARIXTRA®, uma heparina não fracionada (HNF), segundo a prática padrão, deve ser administrada adicionalmente durante a ICP, levando em consideração o risco potencial do paciente desenvolver hemorragia, incluindo o tempo desde a última dose de fondaparinux (veja Advertências).
O tempo para recomeçar a administração subcutânea de ARIXTRA® após remoção do catéter percutâneo deve ser baseado em julgamento clínico. No estudo clínico de infarto do miocárdio com elevação do segmento ST, o tratamento não foi reiniciado antes de 3 horas após remoção do catéter percutâneo.
Em pacientes que foram submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio, ARIXTRA®, quando possível, não deve ser administrado durante as 24 horas que antecedem a cirurgia e deve ser recomeçado 48 horas após a cirurgia.
Reações adversas
As reações adversas estão listadas abaixo pelos órgãos sistêmicos, freqüência e indicação. As freqüências são definidas como: muito comum (≥ 1/10), comum (≥ 1/100, < 1/10), incomum (≥ 1/1.000, < 1/100), raro (≥ 1/10.000, < 1/1.000), muito raro ( < 1/10.000). Estas reações adversas devem ser interpretadas dentro do contexto cirúrgico ou médico das indicações.
Dados dos Ensaios Clínicos
Infecções e infestações
Raro: infecções das feridas pós-operatórias.
Distúrbios do sistema sangüíneo e linfático
Comum: anemia, sangramento (vários locais incluindo casos raros de sangramentos intracranianos/ intracerebrais e retroperitoneais), púrpura.
Incomum: trombocitopenia, trombocitemia, plaquetas anormais, distúrbio da coagulação.
Distúrbios do sistema imune
Raro: reação alérgica.
Distúrbios do metabolismo e de nutrição
Raro: hipocalemia.
Distúrbios do sistema nervoso
Incomum: dor de cabeça.
Raro: ansiedade, confusão, tontura, sonolência, vertigem.
Distúrbios vasculares
Raro: hipotensão.
Distúrbios respiratórios, torácicos e mediastínicos
Raro: dispnéia, tosse.
Distúrbios gastrintestinais
Incomum: náusea, vômitos.
Raro: dor abdominal, dispepsia, gastrite, constipação, diarréia.
Distúrbios hepatobiliares
Incomum: testes anormais da função hepática, enzimas hepáticas aumentadas.
Raro: bilirrubinemia.
Distúrbios da pele e dos tecido subcutâneo
Incomum: rash, prurido, secreção na ferida.
Distúrbios gerais e condições do local de administração
Comum: edema.
Incomum: febre.
Raro: reação no local da injeção, dor no peito, dor nas pernas, fadiga, rubor, síncope.
Superdose
Sintomas e Sinais
Doses de ARIXTRA® acima do regime recomendado podem levar a um risco aumentado de sangramento.
Tratamento
A superdosagem associada a complicações hemorrágicas devem levar à descontinuação do tratamento e à pesquisa da causa primária. O início da terapia apropriada, a qual pode incluir hemostasia cirúrgica, reposições sangüíneas, transfusão de plasma fresco, plasmaferese, deve ser considerado.
Dizeres legais
MS: 1.0107.0274
USO RESTRITO A HOSPITAIS (seringas de 2,5mg)
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA.

Adicionar um comentário

 
Strict Standards: Declaration of MY_Exceptions::show_404() should be compatible with CI_Exceptions::show_404($page = '', $log_error = true) in /home/farmacoinfo/public_html/br/application/core/MY_Exceptions.php on line 0

A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Undefined index: gracias

Filename: blocks/med_comentarios_form.php

Line Number: 16

*