B-TABLOCK - Advertências e precauções

B-TABLOCK (levobunolol) deve ser usado com precaução em pacientes com hipersensibilidade conhecida a outros agentes bloqueadores beta-adrenérgicos e nos pacientes com função pulmonar diminuída. Nos pacientes com glaucoma de ângulo fechado, o objetivo imediato do tratamento é a reabertura do ângulo. Isto requer constrição pupilar com um miótico. B-TABLOCK (levobunolol) solução oftálmica tem pouco ou nenhum efeito sobre a pupila. Quando B-TABLOCK é utilizado para reduzir a PIO no glaucoma de ângulo fechado, deverá ser utilizado em associação com um miótico e não isoladamente. Fraqueza muscular: os agentes bloqueadores beta-adrenérgicos têm sido reportados como potencializadores da fraqueza muscular consistente com determinados sintomas miastênicos (por exemplo, diplopia, ptosis e fraqueza generalizada).
Gravidez: não há estudos bem controlados e adequados em mulheres grávidas. Levobunolol deve ser usado durante a gravidez somente se o benefício justificar risco potencial sobre o feto.
Aleitamento: não é conhecido se essa droga é excretada pelo leite humano. Bloqueadores beta-sistêmicos e o maleato de timolol tópico são excretados pelo leite humano. Pelo fato de drogas similares serem excretadas pelo leite humano, devem ser tomadas precauções quando B-TABLOCK (levobunolol) for administrado em mulheres amamentando.
Uso pediátrico: não foram estabelecidos os padrões de segurança e eficácia em crianças. Broncoespasmo de natureza não alérgica: em pacientes com broncoespasmo de natureza não alérgica ou com história de broncoespasmo de natureza não alérgica (por exemplo: bronquite crônica, enfisema) B-TABLOCK (levobunolol) deve ser administrado com precaução, uma vez que pode bloquear a broncodilatação produzida por estimulação de catecolaminas de origem endógena ou exógena dos receptores beta 2. Diabetes mellitus: os agentes bloqueadores beta-adrenérgicos devem ser administrados com precaução em pacientes sujeitos a hipoglicemia espontânea ou pacientes diabéticos (especialmente aqueles com diabetes lábil) que estão recebendo insulina ou medicação oral hipoglicemiante. Os agentes bloqueadores dos receptores beta-adrenérgicos podem mascarar os sinais e sintomas da hipoglicemia aguda. Tireotoxicose: os agentes bloqueadores beta-adrenérgicos podem mascarar determinados sinais clínicos (por exemplo, taquicardia) de hipertireoidismo. Os pacientes sob suspeita de desenvolverem tireotoxicose devem ser cuidadosamente acompanhados a fim de se evitar queda abrupta de agentes bloqueadores beta-adrenérgicos, o que pode provocar um distúrbio tireoidiano. Grandes cirurgias: a necessidade de suprimir agentes bloqueadores beta-adrenérgicos antes de grandes cirurgias é discutível. Os agentes bloqueadores beta-adrenérgicos reduzem a capacidade cardíaca em responder a beta-adrenérgicos através de estímulo reflexo. Isto pode aumentar o risco da anestesia geral em cirurgias. Alguns pacientes em tratamento com agentes bloqueadores de receptores de beta-adrenérgicos têm sido sujeitos a prolongada hipertensão durante anestesia. Por essas razões pode ser apropriado, em pacientes encaminhados para cirurgia, proceder-se uma gradual diminuição de agentes bloqueadores de receptores beta-adrenérgicos.
ADVERTÊNCIAS
Como outras drogas oftálmicas administradas topicamente, B-TABLOCK (levobunolol) pode ser absorvido sistemicamente. As mesmas reações adversas encontradas com a administração sistêmica de agentes bloqueadores beta-adrenérgicos podem ocorrer com a administração tópica. Por exemplo, têm sido reportadas reações cardíacas e reações respiratórias graves, incluindo morte devida a broncoespasmo em pacientes com asma, e raramente ocorre morte em associação com insuficiência cardíaca.