CIALIS - Reações adversas

Reação comum ( > 1/100 e < 1/10): dor lombar, dispepsia, rubor facial, mialgia, congestão nasal. No acompanhamento pós-comercialização, os seguintes eventos adversos muito raramente relatados em associação temporal nos pacientes usando tadalafila incluíram: Reação muito rara ( < 1/10.000): reações de hipersensibilidade incluindo erupção cutânea, urticária, edema facial, síndrome de Stevens-Johnson, dermatite esfoliativa. Eventos cardiovasculares graves, incluindo infarto do miocárdio, morte súbita cardíaca, acidente vascular cerebral, dor torácica, palpitações e taquicardia foram relatados pós-comercialização em associação temporal com o uso de tadalafila. A maioria dos pacientes que relataram estes eventos tinha fatores de risco cardiovascular preexistentes. Entretanto, não se pode determinar definitivamente se estes eventos são relacionados diretamente a estes fatores de risco, à tadalafila, à atividade sexual ou à combinação destes e outros fatores. Hipotensão, hipertensão, síncope, dor abdominal, refluxo gastroesofágico, hiperidrose, visão borrada, neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica, oclusão da veia retiniana, diminuição (alteração) do campo visual, priapismo, ereção prolongada, enxaqueca, epistaxe. A neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica (caracterizada pela diminuição da visão, implicando em perda permanente da visão) foi um evento pós-comercialização relatado raramente em associação temporal com o uso de medicamentos inibidores da PDE5. Os médicos devem orientar os pacientes a interromperem o uso da tadalafila e os pacientes devem procurar auxílio médico no caso de perda repentina da visão. Os médicos devem informar seus pacientes que indivíduos que já apresentaram neuropatia óptica isquêmica anterior não arterítica têm um risco maior em apresentar esses eventos. Otológicos: Casos de diminuição ou perda repentina da audição foram relatados na pós-comercialização, em associação temporal com o uso de inibidores PDE5, incluindo tadalafila. Não é possível determinar se estes eventos estão relacionados diretamente ao uso de tadalafila, a fatores de risco subjacentes do paciente para a perda de audição, uma combinação destes fatores ou a outros fatores.