OMNARIS - Informações técnicas

Características farmacológicas
Propriedades farmacodinâmicas
O componente ativo do Omnaris* é a ciclesonida, um glicocorticóide não halogenado, uma pró-droga que é enzimaticamente hidrolisada em um metabólito farmacologicamente ativo, o C21-desisobutiril-ciclesonida (des-ciclesonida ou RM1) após aplicação intranasal. A des-ciclesonida tem atividade antiinflamatória com afinidade para o receptor glicocorticóide 120 vezes maior que o composto principal.
Assim como os demais corticosteróides nasais, o exato mecanismo de ação da ciclesonida na rinite alérgica não é bem conhecido. Demonstrou-se que os corticosteróides têm uma ampla gama de efeitos sobre diversos tipos de células (mastócitos, eosinófilos, neutrófilos, macrófagos e linfócitos) e mediadores (histamina, eicosanóides, leucotrienos e citocinas) envolvidos na inflamação alérgica.
Um estudo, com duração de 52 semanas, não registrou alterações significativas nos níveis de cortisol em urina de 24 horas, cortisol sérico matutino, pressão intra-ocular e opacificação dos cristalinos em adolescentes (maior que 12 anos) e adultos, quando comparados ao uso de placebo. Em crianças de 6 a 11 anos de idade, um estudo de 12 semanas de tratamento mostrou que o cortisol plasmático matinal médio não sofreu nenhum efeito consistente diferente do placebo em relação aos valores basais.
Propriedades farmacocinéticas
Absorção
A administração intranasal de ciclesonida nas doses recomendadas resulta em concentrações séricas insignificantes de ciclesonida. A ciclesonida e a des-ciclesonida têm uma biodisponibilidade oral insignificante (ambas menores que 0,1%) devido à baixa absorção gastrintestinal e ao alto metabolismo de primeira passagem. Os imuno-ensaios usados nestes testes detectaram até 25 pg/ml e 10 pg/ml de ciclesonida e des-ciclesonida, respectivamente.
Distribuição
Após administração intravenosa de 800 mcg de ciclesonida, os volumes de distribuição de ciclesonida e des-ciclesonida foram de aproximadamente 2,0 L/kg e 12,1 L/kg, respectivamente. A porcentagem de ciclesonida e des-ciclesonida ligada às proteínas plasmáticas humanas foi em média 99%. Portanto, menos de 1% do medicamento não ligado à proteínas plasmáticas foi detectado na circulação sistêmica. A des-ciclesonida não é significativamente ligada à transcortina humana.
Metabolismo
A ciclesonida intranasal é hidrolisada em um metabólito biologicamente ativo, a des-ciclesonida, por esterases na mucosa nasal. A des-ciclesonida passa por metabolismo adicional no fígado para outros metabólitos principalmente pela isozima CYP 3A4 e, em uma menor extensão, pelo CYP 2D6. A gama total de metabólitos potencialmente ativos da ciclesonida não foi caracterizada.
Eliminação
Após administração intravenosa de 800 mcg de ciclesonida, os valores de depuração da ciclesonida e des-ciclesonida foram altos (aproximadamente 152 L/h e 228 L/h, respectivamente). A ciclesonida marcada com 14C foi excretada predominantemente através das fezes após administração intravenosa (66%) indicando que a excreção através da bile é a principal via de eliminação. Cerca de 20% da radioatividade relativa ao medicamento foram excretados na urina.
Populações Especiais
A farmacocinética da ciclesonida administrada por via intranasal não foi avaliada em subpopulações de pacientes porque os níveis sangüíneos resultantes de ciclesonida e des-ciclesonida são insuficientes para os cálculos farmacocinéticos.
As informações obtidas após a inalação oral de ciclesonida não foram significativamente influenciadas por características do indivíduo, como peso corporal, idade, raça e sexo, nem indicam a necessidade de ajuste de dose em caso de insuficiência hepática. Não foram realizados estudos em pacientes com insuficiência renal.
Propriedades toxicológicas
Carcinogênese, Mutagênese, Prejuízo à Fertilidade
A ciclesonida não demonstrou potencial carcinogênico nem mutagênico em estudos animais. A ação clastogênica foi similar à da dexametasona.
Não foi observada nenhuma evidência de prejuízo à fertilidade em estudos em animais com doses de até 35 vezes a dose intranasal diária humana máxima em adultos com base em mcg/m2.
Gestação
Categoria C de Gestação
Efeitos Teratogênicos: Não há estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas ou em fase de amamentação. Omnaris*, como outros corticosteróides, deve ser usado durante a gestação ou amamentação apenas se o benefício esperado justificar o potencial risco para o feto.
A experiência com corticosteróides orais desde a sua introdução demonstram que, pelo fato de haver um aumento natural na produção de corticosteróide durante a gestação, a maioria das mulheres precisará de uma menor dose exógena de corticosteróide e muitas não precisarão de tratamento com corticosteróides durante a gestação.
Efeitos Não-Teratogênicos: Pode ocorrer hipoadrenalismo em bebês nascidos de mães que estejam recebendo corticosteróides durante a gestação. Estes bebês devem ser cuidadosamente monitorados.