ABATACEPTE Informações da substância

Ações terapêuticas

Imunossupressor.

Propriedades

Trata-se de uma proteína de fusão, solúvel, que consiste do domínio extracelular do antígeno 4 associado aos linfócitos T citotóxicos (CTLA-4) unido à região Fc modificada da imunoglobulina humana G1 (IgG1). Em vista de sua ação bloqueadora da união das moléculas CD80 e CD86 com CD28, o abatacepte constitui-se em um inibidor seletivo da ativação dos linfócitos T. Esta interação é um sinal de coestimulação necessária para a ativação total dos linfócitos T, que estão implicados na patogenia da artrite reumatoide. In vitro, este fármaco diminui a proliferação dos linfócitos T e inibe a produção de citocinas, tais como o fator de necrose tumoral alfa (TNFa), gamainterferona (IFN-c) e interleucina 2 (IL-2). Em estudos clínicos, em doses de aproximadamente 10mg/kg, observou-se diminuição dos níveis plasmáticos do receptor solúvel de IL-2, iL-6, fator reumatoide, proteína C reativa, da metaloproteínase-3 e de TNFa. O exato mecanismo de ação é desconhecido.

Indicações

Artrite reumatoide ativa moderada a grave em pacientes com resposta inadequada aos fármacos DMARD (disease-modifying anti-rheumatic drug, fármacos antirreumáticos modificadores de doença), tais como o metotrexato ou antagonistas do fator de necrose tumoral (TNF).

Posologia

Infusão intravenosa administrada durante 30 minutos com doses que devem ser ajustadas ao peso corporal: peso corporal inferior a 60 kg, 500 mg; peso corporal entre 60 e 100 kg, 750 mg e peso corporal superior a 100 kg, 1 g. Após a dose inicial, o fármaco é administrado na 2ª e na 4ª semanas seguintes, para em seguida ser administrada a cada 4 semanas. O abatacepte pode ser utilizado como monoterapia ou associado com outros fármacos do tipo DMARS, excetuando os antagonistas de TNF.

Superdosagem

Não há registro de casos de superdosagem.

Reações adversas

As principais reações adversas compreendem cefaleia, náuseas, infecção nas vias respiratórias altas (bronquite, faringite), infecções urinárias. Em estudos clínicos, observou-se maior incidência de linfoma e câncer de pulmão em comparação com os pacientes tratados com placebo. Menos frequentemente observam-se enjoos, tosse, hipertensão, dispepsia, rash cutâneo e dores nas extremidades.

Precauções

Não se recomenda a administração conjunta com antagonistas de TNF, visto que os pacientes que receberam ambos os fármacos estiveram mais expostos a infecções. O abatacepte deve ser administrado com precaução em pacientes com histórico de infecções recorrentes ou latentes (tuberculose). As vacinas à base de microrganismos vivos não devem ser administradas concomitantemente nem dentro do período de três meses após encerrado o tratamento com abatacepte. É aconselhável administrar com precaução a pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) por uma possível exacerbação da obstrução pulmonar. Recomenda-se administrar à mulheres grávidas apenas se o benefício almejado superar os riscos potenciais para o feto. Não administrar durante a amamentação.

Interações

Até o presente não foram registradas interações de relevância clínica. Recomenda-se não administrar em associação com antagonistas de TNF e anacinra.

Contraindicações

Hipersensibilidade ao fármaco.

Remédio que contêm Abatacepte