ALBUMINA HUMANA Informações da substância

Ações terapêuticas

Expansor do volume plasmático.

Propriedades

É uma solução altamente purificada da fração albumina do plasma, obtida mediante ao seu fracionamento. Sua importância fisiológica reside no efeito coloidosmótico que assegura a manutenção do volume sangüíneo e a pressão osmótica da circulação periférica e, por outro lado, em sua função transportadora, não somente de hormônios e enzimas, como também de toxinas e diferentes medicamentos como sulfamidas, penicilinas e glicosídeos digitais.

Indicações

Hipoalbuminemia em cirrose hepática, nefrose, edema cerebral, toxemia gravídica, hiperbilirrubinemia neonatal. Terapêutica substitutiva do volume circulatório.

Posologia

Salvo critério médico diferente, as doses sugeridas são: hipoalbuminemia, cirrose hepática e nefrose, sem diluir 35 a 70 gotas/minuto; a quantidade depende do estado clínico. Edema cerebral: sem diluir, 35 a 70 gotas/minuto (50 a 100 ml). Toxemia gravídica: sem diluir, 125 gotas/minuto (150 a 300 ml). Hiperbilirrubinemia do recém-nascido: sem diluir, 5 a 15 ml/kg, meia hora antes da exsanguinotransfusão. Terapêutica substitutiva do volume circulatório: inicialmente, sem diluir 125 gotas/minuto (50 a 100 ml); no caso do hematócrito decrescer a valores inferiores a 25 volumes %, deve ser administrado de forma adicional um concentrado de eritrócitos ou proceder a transfusão de sangue total.

Reações adversas

Podem-se apresentar reações urticariformes fugazes, hipotensão transitória, febre e calafrios. Estas reações são pouco frequentes e cedem de forma rápida com a interrupção da infusão.

Precauções

Somente infundir soluções completamente transparentes.

Contraindicações

Pacientes com insuficiência cardíaca descompensada, hipertensão arterial, varizes esofágicas, anúria renal e pós-renal. A infusão deve ser interrompida imediatamente caso se apresentarem manifestações de sobrecarga circulatória (cefaleias, dispneia, ingurgitação jugular).

Remédio que contêm Albumina humana