ALTRETAMINA Informações da substância

Ações terapêuticas

Antineoplásico.

Propriedades

A altretamina, também conhecida como hexametilmelamina, está relacionada estruturalmente com os agentes alquilantes; mesmo assim, não foi demonstrado in vitro que o mecanismo de ação antineoplásico do fármaco e seus metabólitos se relacione com a alquilação do DNA e por enquanto é desconhecido. Sabe-se que é necessária a metabolização para que ocorra efeito citotóxico; os principais metabólitos são a pentametilmelamina e a tetrametilmelamina.

Indicações

Tratamento paliativo do câncer de ovário persistente ou recorrente, em pacientes que já receberam tratamento de primeira linha com cisplatina ou agentes alquilantes. Também tem sido utilizada no tratamento coadjuvante do câncer de mama e do carcinoma pulmonar de células pequenas.

Posologia

Por via oral, as doses são calculadas de acordo com a área corporal; administram-se 260 mg/m2/dia, em quatro tomadas, durante 14 a 21 dias consecutivos. Se houver toxicidade hemática ou neurológica, a administração pode ser suspensa por duas ou mais semanas e depois pode ser reiniciada com 200 mg/m2/dia. Se os sintomas não desaparecerem ou retornarem, a administração deve ser suspensa definitivamente.

Reações adversas

Náuseas, vômitos. Neuropatia periférica, sintomas do sistema nervoso central (alteração do humor e da consciência, ataxia, tonturas, vertigem); esses efeitos podem reverter após a suspensão do tratamento. Mielossupressão relacionada com a dose.

Precauções

A altretamina é teratogênica em animais. A lactação deveria ser suspensa se a mãe deve receber este fármaco. A segurança e a eficácia desse fármaco em crianças não foram estabelecidas.

Interações

IMAO: hipotensão ortostática grave. Cimetidina: poderia incrementar a toxicidade da altretamina por inibir a sua eliminação. A piridoxina não deveria ser administrada juntamente com a altretamina.

Contraindicações

Hipersensibilidade à altretamina. Pacientes com depressão grave da medula óssea e neurotoxicidade grave.