AMIFOSTINA Informações da substância

Propriedades

A amifostina é uma substância capaz de proteger os tecidos sadios da toxicidade severa associada com a quimioterapia intensiva com agentes alquilantes e platina. Em ensaios in vivo determinou-se que incrementa a resistência às radiações da pele e da medula óssea em fatores de 2,4 e 2,7 respectivamente; além disso, observou-se um aumento de 1,5 vezes na resistência à nefrotoxicidade induzida pela cisplatina. A amifostina protege a maior parte dos tecidos, exceto os da medula espinhal e do encéfalo. Os tecidos tumorais não são protegidos pelos agentes alquilantes ou são protegidos em grau muito baixo. Esse mecanismo de proteção seletiva parece ser devido a características do microambiente tumoral que impedem a entrada do fármaco e do seu metabólito ativo em quantidades adequadas às células transformadas. Alguns estudos sugerem que essa ação poderia estar relacionada com um bloqueio da divisão das células dos tecidos não-tumorais, mediante a inibição da enzima topoisomerase II exercida por um metabólito da amifostina, com o qual a probabilidade de que ocorram danos no DNA das células normais devido aos agentes alquilantes estaria reduzida.

Indicações

Em pacientes com câncer que recebem quimioterapia intensiva com agentes alquilantes e platina.

Posologia

Dose recomendada: 910 mg/m2 administrados por infusão em um período de 15 minutos. A primeira dose é aplicada justamente antes da administração do antineoplásico e repete-se 2 horas depois. Se a dose recomendada não é bem tolerada, deve-se continuar com uma menor, ou partir de 740 mg/m2, 600 mg/m2 ou 450 mg/m2, as mais elevadas que o paciente possa tolerar. É desconhecido se as doses menores de 450 mg/m2 são efetivas.

Reações adversas

É frequente uma redução leve e transitória da pressão arterial sistólica, que deveria voltar a seus valores normais 2 a 5 minutos após a finalização da infusão. Uma queda excessiva da pressão arterial sistólica obriga a interromper ou suspender de maneira definitiva a infusão; o paciente recupera-se igualmente em 5 a 15 minutos. Podem ocorrer sintomas de hipotensão (tonturas, desmaios), que são controlados com soluções parenterais e correção da postura do paciente. Pode provocar náuseas e vômitos leves, que se potencializam pelo efeito simultâneo dos antineoplásicos; por isso é recomendável administrar um agente antiemético antes de iniciar o tratamento com amifostina. Também se têm observado rubor, tonturas, sonolências, espirros, soluços e calafrios que foram leves e obrigaram a suspender o tratamento.

Precauções

Monitorar a calcemia durante a infusão de doses múltiplas dentro de um período de 24 horas; se for necessário administrar suplementos de cálcio. A pressão arterial deve ser registrada a cada 5 minutos durante a administração, que deve ser realizada com o paciente adequadamente hidratado e em posição supina durante a infusão. Por não existirem provas conclusivas do efeito da amifostina sobre a gravidez, recomenda-se não utilizá-la em mulheres grávidas a não ser que o benefício para a mãe supere o risco potencial para o feto. A lactação deverá ser suspensa se a mãe tiver que tomar o fármaco.

Interações

Anti-hipertensivos: potencialização da hipotensão.

Contraindicações

Pacientes desidratados, hipotensos ou que recebam medicação anti-hipertensiva que não possa ser suspensa durante 24 horas.

Remédio que contêm Amifostina