AMIODARONA - Propriedades

Usado como cloridrato, prolonga a duração do potencial de ação e o período refratário do tecido miocárdico por ação direta sobre ele, sem afetar o potencial de membrana. Prolonga o estado refratário e diminui a condução das vias tissulares secundárias em pacientes com síndrome de Wolff-Parkinson-White. Produz antagonismo não competitivo dos receptores alfa e beta-adrenérgicos e inibição dos canais do cálcio. Tem um leve efeito inotrópico negativo, mais marcante com a administração intravenosa que com a oral, porém geralmente, não deprime a função ventricular esquerda. Produz vasodilatação coronária e periférica, e diminui, portanto, a resistência vascular periférica, porém só causa hipotensão com a administração de doses orais altas. Sua absorção é lenta e variável, absorvendo de 20% a 55% da dose oral. Acumula-se no tecido adiposo e em órgãos muito perfundidos (fígado, pulmão e baço), o que faz com que o alcance das concentrações terapêuticas no plasma seja lento e que se prolongue a eliminação. Sua união às proteínas é alta (96%); metaboliza-se no fígado, sendo a desetilamiodarona seu metabólito ativo. A concentração máxima é obtida em 3 a 7 horas e a duração da ação varia de semanas a meses. A eliminação é por via biliar; aparece no leite materno 25% da dose.