ANFEPRAMONA Informações da substância

Sinônimos

Dietilpropiona.

Propriedades

Trata-se de uma amina simpatomimética pertencente ao grupo das feniletilaminas. Sendo similar à anfetamina, apresenta um importante efeito anorexígeno-saciogênico por ação sobre o SNC, mais precisamente no centro hipotalâmico da saciedade, inibindo o apetite e favorecendo a perda de peso. O consumo reiterado e prolongado desta substância desenvolve tolerância, podendo provocar elevação da pressão arterial e estimulação do SNC. Sua absorção pelo trato digestório após a administração por via oral é rápida e completa. É biotransformada em nível hepático, liberando metabólitos ativos que podem chegar a atravessar as barreiras hematoencefálica e placentária. Mais da metade da dose administrada é eliminada por via renal em 48 horas, parte em forma inalterada e parte na forma de metabólitos.

Indicações

Obesidade exógena e sobrepeso patológico, associada a dietas adequadas.

Posologia

A dose média recomendada é de 75 mg em tomada única por via oral após o desjejum.

Superdosagem

Pode observar-se tremores-hiperreflexia, respiração rápida, confusão, alucinações, estados de pânico, seguidos de fadiga e depressão. Podem também ocorrer arritmias, hipertensão ou hipotensão e colapso circulatório. Náuseas, vômitos, diarreia e cãibras abdominais. O tratamento é sintomático e compreende lavagem gástrica, administração de sedativos (barbitúricos) e, no caso de haver desenvolvimento de hipertensão grave, fentolamina por via intravenosa.

Reações adversas

Confusão mental ou depressão, visão turva, alterações da libido, constipação, diarreia, enjoos, irritabilidade, nervosismo ou inquietação, problemas de sono. Palpitações, cãibras, dores de estômago.

Precauções

Podem apresentar-se reações de hipersensibilidade cruzada a outros simpatomiméticos como efedrina, adrenalina, anfetaminas. Administrar com precaução em pacientes hipertensos, cardíacos e epilépticos. Não ingerir álcool ou outros depresores do SNC (psicofármacos, ansiolíticos, sedativos). Não recomenda-se a supressão brusca do tratamento nem aumentar a dose para recuperar a ação terapêutica em caso de tolerância.

Interações

A anfepramona interfere no efeito anti-hipertensivo de várias substâncias (guanetidina, clonidina, metildopa). Os derivados fenotiazínicos inibem o efeito da anfepramona sobre o apetite e a saciedade. Pode haver sinergismo (somação) de efeitos pela associação deste fármaco com estimulantes do SNC e hormônios tireoideanos. Em pacientes diabéticos tratados com insulina ou hipoglicemiantes orais os níveis de glicemia podem ser afetados.

Contraindicações

Gravidez e amamentação. Crianças com idade inferior a 12 anos. Hipertensão arterial. Hipertireoidismo. Hipersensibilidade a feniletilaminas. Cardiopatia coronariana. Glaucoma. Estados de agitação nervosa. Epilepsia. A administração com inibidores da monoaminoxidase (IMAO) pode precipitar crises hipertensivas; assim, o fármaco deverá ser utilizado somente 2 semanas após a suspensão do antidepressivo IMAO.