BOSENTANA Informações da substância

Ações terapêuticas

Hipertensão pulmonar primária ou secundária (à esclerodermia).

Propriedades

É um antagonista dual dos receptores da endotelina (ERA) com notável afinidade pelos subtidos A e B (ETA e ETB) que atua diminuindo a resistência vascular, tanto pulmonar como sistêmica. A endotelina-1 (ET-1) é um poderoso vasoconstritor que, além disso, induz fibrose, proliferação celular e hipertrofia cardíaca em função de sua união aos receptores ETA e ETB localizados no endotélio e musculatura lisa vascular. A bosentana atua competindo com a união da ET-1 e outros peptídeos vasoativos que se encontram elevados em distintas patologias cardiovasculares, como a insuficiência cardíaca aguda e crônica e hipertensão pulmonar. O fármaco é administrado por via oral; sua meia-vida é de 5,4 horas e liga-se em larga proporção ( > 98%) à albumina plasmática. Sofre biotransformação metabólica hepática pelo sistema citocromo P-450, CYP3A4 e CYP2C9 e é eliminado principalmente por via biliar e menos de 3% são recuperados pela urina.

Indicações

Hipertensão pulmonar primária ou secundária (à esclerodermia).

Posologia

Indica-se uma dose de 62,5 mg duas vezes ao dia durante 4 semanas para em seguida aumentando até alcançar 125 mg duas vezes ao dia, que seria a dose de manutenção. Em pacientes refratários ao tratamento poderiam indicar-se 250 mg duas vezes ao dia, avaliando cuidadosamente a toxicidade hepática da bosentana, que é dose-dependente.

Reações adversas

Foram relatados rubor facial, cefaleia, edemas periféricos, anemia, transtornos da função hepática.

Precauções

O tratamento somente deverá ser iniciado se a pressão arterial sistêmica for superior a 85 mmHg. Avaliar previamente o grau de função hepática e a seguir continuar monitorando mensalmente. A concentração de hemoglobina também deverá ser determinada mensalmente durante os primeiros 4 meses e, a seguir, trimestralmente.

Interações

A bosentana é um indutor das isoenzimas CYP2C9 e CYP3A4 do sistema CYP (citocromo P-450), razão pela qual os fármacos que inibem estas isoenzimas (cetoconazol, fluconazol, itraconazol) podem aumentar seus níveis séricos. Este fármaco não deve ser associado com ciclosporina A, visto que as concentrações de bosentana se elevam até 30 vezes nessas condições, ao mesmo tempo que os níveis plasmáticos de ciclosporina A diminuem em cerca de 50%. Não se conhece o mecanismo intrínseco desta interação.

Contraindicações

Hipersensibilidade ao fármaco. Gravidez. Uso concomitante de ciclosporina A. Insuficiência hepática grave.

Remédio que contêm Bosentana