CERTOLIZUMABE PEGOL Informações da substância

Ações terapêuticas

Doença de Crohn.

Propriedades

Trata-se de um anticorpo recombinante com efeito bloqueador seletivo sobre o fator de necrose tumoral-a (TNF-a), que é uma citocina proinflamatória importante nos fenômenos inflamatórios. Sua biodisponibilidade alcança 80% após sua administração por via SC. Devido a sua união covalente com polímeros, sua eliminação prolonga-se, com uma meia-vida de 14 dias. Não há estudos sobre sua via de eliminação.

Indicações

Doença de Crohn com sintomatologia grave que não foi respondido satisfatoriamente ao tratamento convencional.

Posologia

400 mg por via subcutânea (SC) inicialmente e 2 e 4 semanas após. Ao se observar melhora significativa da sintomatologia digestiva, pode-se passar a usar 400 mg a cada 4 semanas. Devem aplicar-se 2 injeções de 200 mg cada uma por via subcutânea sob a pele, uma na zona epigástrica e outra na coxa.

Reações adversas

As mais frequentemente observadas foram: dores articulares, infecção urinária (cistite), resfriado, síndrome gripal, urticária, reações cutâneas alérgicas, enjoos, vertigens, infecções oportunistas (tuberculose, micoses, viroses), angioedema.

Precauções

O tratamento com este fármaco não está indicado para pacientes portadores de qualquer tipo de infecção, devendo ser suspenso caso se instale algum episódio infeccioso novo. Síndrome de Stevens-Johnson, epidermólise tóxica. Não fazer qualquer vacinação durante o tratamento. Sua segurança em casos de gravidez, durante a lactação e em pacientes pediátricos não está estabelecida.

Interações

Não há estudos neste sentido.

Remédio que contêm Certolizumabe pegol