DESIPRAMINA Informações da substância

Ações terapêuticas

Antidepressivo tricíclico.

Propriedades

Usada como cloridrato, apesar de não ter sido esclarecido o mecanismo exato no tratamento da depressão, estima-se que os antidepressivos tricíclicos aumentam a concentração na sinapse de norepinefrina ou de serotonina no SNC ao bloquear sua recaptação pela membrana neuronal pré-sináptica. A desipramina inibe principalmente a recaptação de norepinefrina. Ao que parece, a ação antidepressiva correlaciona-se melhor com as mudanças nas características dos receptores, produzidos pela administração crônica dos antidepressivos tricíclicos do que com o bloqueio da recaptação dos neurotransmissores; isto explicaria o retardamento de 2 a 4 semanas na resposta terapêutica. Absorve-se bem e de forma rápida após a administração oral e sua união às proteínas é da ordem de 90%. A meia-vida é de 12 a 54 horas, com um ligeiro efeito antimuscarínico e sedativo relativo. Elimina-se principalmente por via renal durante vários dias; não é dialisável devido a sua elevada união às proteínas.

Indicações

Síndrome depressiva maior, doença maníaco-depressiva bipolar, depressão com sinais vegetativos ou melancólicos, depressão reativa ou distúrbios distímicos, ansiedade no tratamento de desabituação à cocaína.

Posologia

Por via oral, 25 a 50 mg 3 vezes ao dia; ajustar a dose conforme a necessidade e tolerância. Dose máxima para adultos: até 200 mg/dia; para pacientes geriátricos: até 100 mg/dia. Doses pediátricas crianças até 12 anos: a dose não foi estabelecida; adolescentes: 25 a 50 mg/dia em diversas doses; ajustar a dose conforme a necessidade e tolerância, até um máximo de 100 mg/dia. Doses geriátricas usuais: 25 a 50 mg/dia em diversas doses.

Reações adversas

Requerem atenção médica se persistirem ou forem incômodos: enjoos, sonolência, secura na boca, cefaleias, náuseas, cansaço ou debilidade, sabor desagradável e aumento de peso. De incidência menos frequente: diarreia, sudorese excessiva, pirose, vômitos, visão turva, movimentos descontrolados, confusão, delírio, alucinações, irritabilidade, contrações musculares, hipertensão ou hipotensão e taquicardia, bradicardia ou arritmias.

Precauções

A dose deve ser individualizada para cada paciente. As doses podem ser tomadas com as refeições ou imediatamente após as mesmas, para diminuir a irritação gástrica. A dose diária única ao deitar-se é útil quando os efeitos colaterais, como sonolência excessiva ou enjoos, podem incomodar ou ser perigosos durante as horas de trabalho. Se a medicação for suspensa bruscamente, podem ocorrer: cefaleias, mal-estar, náuseas ou vômitos. Pode ser necessário um período de até 2 a 6 semanas de tratamento para obtenção dos efeitos antidepressivos. Evitar bebidas alcoólicas; ter cuidado ao dirigir ou realizar trabalhos que requeiram estado de alerta. Não é recomendado o uso de antidepressivos tricíclicos em menores de 12 anos.

Interações

Os antidepressivos tricíclicos não aliviam e podem exacerbar a depressão mental induzida por corticoides. A desipramina pode potencializar a depressão do SNC, diminuir o limiar das crises convulsivas por doses elevadas e diminuir os efeitos da medicação anticonvulsiva quando associada com ela. O uso simultâneo de barbitúricos pode diminuir o efeito dos antidepressivos tricíclicos. A cimetidina pode inibir o metabolismo dos antidepressivos tricíclicos e aumentar suas concentrações plasmáticas. Não se recomenda o uso simultâneo com IMAO devido ao aumento do risco de episódios hiperpiréticos graves e crises hipertensivas. O uso simultâneo de drogas simpaticomiméticas pode potencializar os efeitos cardiovasculares e originar arritmias, taquicardias, hipertensão ou hiperpirexia grave.

Contraindicações

Período de recuperação imediatamente após enfarte do miocárdio. A relação risco-benefício deverá ser avaliada na presença de alcoolismo ativo ou tratado, asma, distúrbios sanguíneos, alterações cardiovasculares principalmente em idosos e crianças, distúrbios gastrintestinais, glaucoma, hipertensão ocular, hipertrofia da próstata (risco de retenção urinária), esquizofrenia e crises convulsivas.