DORZOLAMIDA Informações da substância

Ações terapêuticas

Anti-hipertensivo ocular.

Propriedades

Trata-se de um inibidor da anidrase carbônica, formulado para uso oftálmico por via tópica. A anidrase carbônica é uma enzima encontrada em vários tecidos do organismo, entre os quais os olhos; sua função é catalizar a reação de hidratação do dióxido de carbono e desidratação do ácido carbônico. A inibição desta enzima do globo ocular reduz a produção de humor aquoso devido a uma menor formação de íons bicarbonato, com subsequente diminuição no transporte de íons sódio e líquidos. Quando a dorzolamida é aplicada topicamente, o fármaco alcança a circulação sanguínea e pode acumular-se nos eritrócitos após administração crônica. Sua ligação a proteínas plasmáticas é moderada; é metabolizada no fígado originando um metabólito também ativo; é eliminada principalmente por via urinária na forma de fármaco livre e como metabólito.

Indicações

Hipertensão ocular ou glaucoma de ângulo aberto.

Posologia

Aplicar de forma local 0,6 mg três vezes ao dia.

Superdosagem

Não há casos registrados.

Reações adversas

As mais comuns são: ardor, coceira ou incômodo imediatamente após a administração. Menos frequentemente registraram-se: queratite punctata, sinais e sintomas de reação alérgica ocular, fotofobia, secura ocular, visão turva, lacrimejamento, dor de cabeça, náuseas, astenia, fadiga, rash cutâneo, urolitíase e iridociclite.

Precauções

Por ser uma sulfonamida que é absorvida sistemicamente, a dorzolamida pode causar reações adversas comuns a outros derivados sulfonamídicos, incluindo a síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica, necrose hepática fatal, agranulocitose, anemia aplástica e outras alterações hematológicas. O uso de dorzolamida não foi estudado em pacientes com glaucoma agudo de ângulo fechado. A administração de dorzolamida a ratas no período de lactação produziu diminuição do peso e retardo no desenvolvimento da cria. Visto não se conhecer se o fármaco é eliminado no leite materno, aconselha-se administrar a mulheres durante a amamentação somente se o benefício justificar o risco potencial para o recém-nascido. Em pacientes pediátricos não foram estudadas a eficácia e a segurança do uso da dorzolamida.

Interações

Não administrar de forma simultânea com outros inibidores da anidrase carbônica, pois podem observar-se alterações do equilíbrio acidobásico e eletrolítico.

Contraindicações

Hipersensibilidade à dorzolamida.

Remédio que contêm Dorzolamida