ERGOCALCIFEROL Informações da substância

Sinônimos

Vitamina D. Vitamina D2. Calciferol. Oleovitamina D2. Ergosterol ativado. Viosterol.

Ações terapêuticas

Vitaminoterapia D. Antirraquítico.

Propriedades

O ergocalciferol é um análogo da vitamina D. Pode ser considerado uma pró-droga, visto que são seus metabólitos ativos que participam na regulação do cálcio sérico, aumentando a absorção de cálcio e fósforo no intestino delgado, o que permite aumentar a concentração sérica destes íons e promover a mineralização do osso. Também aumenta a aposição e a reabsorção de minerais no osso, ao mesmo tempo que promove a reabsorção de fosfatos nos túbulos renais. Os metabólitos da vitamina D também influem no metabolismo do magnésio. O ergocalciferol é rapidamente absorvido no intestino; para isso, é necessária a presença de secreções biliares. A absorção está reduzida nos pacientes com problemas hepáticos e síndrome de má absorção. O ergocalciferol é armazenado em vários tecidos (adiposo, rim, baço), porém principalmente no fígado, onde é convertido em 25-hidroxiergocalciferol. O metabólito biologicamente ativo, o 1,25-di-hidroxiergocalciferol (o calcitriol), aparece após uma segunda hidroxilação nos rins.

Indicações

Tratamento do raquitismo refratário (raquitismo resistente à vitamina D), hipofosfatemia familiar, hipoparatireoidismo, deficiência de vitamina D, osteodistrofia.

Posologia

Raquitismo resistente à vitamina D: 50.000 a 500.000UI diárias. Hipoparatireoidismo: 50.000 a 200.000UI diárias, mais 500 mg de cálcio 6 vezes ao dia. Hipofosfatemia familiar: 10.000 a 80.000UI diárias, mais 1 a 2 mg de fósforo elementar ao dia. Advertência: a margem entre a dose terapêutica e a dose tóxica é estreita. Deve-se reajustar a dose imediatamente após seja observada a melhora clínica. A administração deve ser realizada sob estrita supervisão médica.

Superdosagem

Os efeitos do ergocalciferol podem durar mais de dois meses após suspensa a administração (acúmulo no tecido adiposo): hipercalcemia acompanhada de anorexia, náuseas, fraqueza, perda de peso, dores vagas, constipação, retardo mental, anemia e acidose moderada. Também pode-se observar diminuição da função renal, com hipotensão, poliúria, polidipsia, noctúria, azotemia reversível, calcificação vascular generalizada, nefrocalcinose e, ocasionalmente, pode apresentar-se insuficiência renal irreversível e morte. Em adultos pode-se observar que a calcificação dos tecidos moles é frequentemente acompanhada de descalcificação do osso (osteoporose). Crianças: nanismo. O tratamento consiste na imediata suspensão da vitamina, dieta baixa em cálcio, ingestão de líquidos em abundância, acidificação da urina durante a destoxificação e tratamento de suporte. Medidas terapêuticas adicionais compreendem a administração de citratos, sulfatos, fosfatos, corticosteroides, EDTA (ácido etilenodiaminotetra-acético) e mitramicina.

Reações adversas

Imediatas: fraqueza, enjoos, sonolência, vômitos, náuseas, boca seca, constipação, dores musculares, dores ósseas e sabor metálico. Tardias: anorexia, irritabilidade, perda de peso, acidose moderada, poliúria, polidipsia, noctúria, azotemia reversível, calcificação vascular generalizada, nefrocalcinose, hipertensão, arritmias cardíacas e, raramente, psicose.

Precauções

A margem entre a dose terapêutica e a dose tóxica é estreita. Deve-se reajustar a dose imediatamente após seja observada a melhora clínica. A administração deve ser realizada sob estrita supervisão médica. A administração crônica de ergocalciferol pode provocar calcificação vascular generalizada, nefrocalcinose e calcificações de outros tecidos moles. Deve-se promover reajuste do consumo dietético de alimentos fortificados com vitamina D para evitar os graves transtornos da superdosagem de ergocalciferol e vitamina D ou análogos. Durante a gravidez e a amamentação recomenda-se não superar as 400 UI/dia para evitar o desenvolvimento de hipercalcemia e seus potenciais riscos para a descendência (defeitos congênitos, hipoparatireoidismo neonatal). Deve-se administrar com precaução a lactentes devido à alta sensibilidade ao medicamento nesta faixa etária. O uso pediátrico deve estar sob estrita vigilância médica.

Interações

Os diuréticos tiazídicos nos pacientes hipoparatireóideos podem levar a hipercalcemia se co-administrados com ergocalciferol. Os óleos minerais interferem na absorção do ergocalciferol, inclusive as preparações de vitamina D; administrar o ergocalciferol pela manhã e o azeite mineral à noite.

Contraindicações

Hipersensibilidade à vitamina D, hipercalcemia, síndrome de má absorção e função renal diminuída.

Remédio que contêm Ergocalciferol