ETANERCEPTE Informações da substância

Ações terapêuticas

Antirreumático. Inibidor do fator de necrose tumoral (TNF).

Propriedades

O etanercepte é uma forma dimérica do receptor p75 que, ao ligar-se de modo específico com o TNF, bloqueia a interação deste fator com os receptores da superfície celular. O TNF é uma citocina natural envolvida na resposta inflamatória normal do sistema imune, que tem grande importância em diversos modelos experimentais de inflamação (artrite induzida por colágeno) e nos modelos de artrite reumatoide e patologias articulares do homem. Nestes pacientes detectaram-se altos níveis de TNF no liquído sinovial, e o etanercepte evitaria sua atividade biológica sobre os receptores de superfície denominados p55 e p75 (proteínas de 55 e 75 quilodáltons, respectivamente). Comprovou-se que este dímero inibe a união de TNFa e TNFb (linfotoxina-a, transformando-os em um derivado biologicamente inativo; além disto, modula as respostas biológicas induzidas pelo TNF, incluindo a expressão celular da migração leucocitária (E-selectina) e os níveis séricos de metaloproteinase-3 (MMP-3) e de citocinas (IL-6). Após a administração por via subcutânea (SC) de 25 mg de etanercepte, alcança-se uma concentração máxima (Cmáx) de 1,2 mg, e o tempo máximo (Tmáx) é de 72 horas (48 a 96 horas). A meia-vida é de 115 horas (98 a 300h), com uma depuração de 89 ml/h (52 ml/h por m2) e com doses repetidas comprovou-se que podem aumentar os níveis séricos. Ainda não há estudos disponíveis sobre o perfil farmacocinético em pacientes com insuficiência hepática ou renal administrado etanercepte isoladamente ou em associação com o metotrexato. Desenvolveram-se estudos farmacocinéticos com 25 mg de etanercepte 2 vezes por semana SC durante 6 meses, alcançando-se níveis médios de 3 mg/ml (1,7 mg/ml a 5,6 mg/ml).

Indicações

Artrite reumatoide moderada ou grave em pacientes refratários ou não-responsivos aos agentes anti-inflamatórios antirreumáticos tradicionais, empregado como monoterapia ou em associação ao metotrexato, e também em pacientes não-responsivos ao metotrexato isoladamente.

Posologia

A dose recomendada para pacientes adultos com artrite reumatoide é de 25 mg, administrados duas vezes por semana por via sucutânea. Podem ser administrados simultaneamente o metotrexato, os glicocorticoides e outros fármacos anti-inflamatórios não-esteroidais ou analgésicos durante o tratamento com etanercepte. Não há estudos usando doses superiores às recomendadas.

Reações adversas

Em decorrência da via de administração parenteral (SC), observaram-se reações locais em cerca de 37% dos pacientes, consistindo de dor, eritema, ardor, prurido ou inchaço, sobretudo durante o primeiro mês do tratamento. As infecções respiratórias altas (rinite, sinusite) foram as mais frequentemente relatadas em estudos controlados contra placebo. A sorologia avaliada (anticorpos antinúcleo, anti-DNA e anticardiolipina) foi superior em seus valores aos achados nos pacientes controle tratados com placebo. Outros efeitos adversos relatados em menos de 3% dos pacientes foram: cefaleia, astenia, dores abdominais) enjoos, dispepsia, rash cutâneo.

Precauções

Não há estudos sobre a avaliação de sua eficácia e segurança em pacientes com imunossupressão, pois o etanercepte, assim como outras terapias anti-TNF, pode afetar as defesas biológicas, já que o TNF é um modulador da resposta celular e dos fenômenos inflamatórios. Desaconselha-se administrar vacinas com microrganismos vivos durante o tratamento com este bloqueador biológico do TNF. Não existem estudos em mulheres grávidas e não se sabe se o fármaco é eliminado pelo leite materno, razões pelas quais sua indicação em gestantes e lactantes deverá ser avaliada pelo médico. Igualmente não se estudou seu uso em crianças com idade inferior a 4 anos; entretanto, em crianças com idades entre 4 a 17 anos portadoras de artrite reumatoide juvenil poliarticular ativa de tipo moderado até grave, o fármaco foi empregado com cerca de 76% de resposta clínica. Advertências: ter especial precaução em pacientes com histórico de sepse, infecções recorrentes ou patologias que predisponham a quadros infecciosos (diabetes, idade avançada), pois há registros de patologias infecciosas graves durante o uso de etanercepte.

Interações

Não foram desenvolvidos estudos específicos de interações medicamentosas.

Contraindicações

Hipersensibilidade ao príncipio ativo. Patologias infecciosas ativas.

Remédio que contêm Etanercepte