FILGRASTIM Informações da substância

Ações terapêuticas

Estimulante de colônias de granulócitos.

Propriedades

Filgrastim é um fator estimulante de colônias de granulócitos (G-CSF) produzido por tecnologia DNA-recombinante. O G-CSF regula a produção de neutrófilos na medula óssea; o de síntese endógena é uma glicoproteína produzida por monócitos, fibroblastos e células endoteliais. O G-CSF demonstrou ter um efeito mínimo estimulante direto, in vitro, sobre a produção de outro tipo de células hematopoéticas. O filgrastim é uma proteína de 175 aminoácidos produzida pela bactéria Escherichia coli dentro da qual foi inserido o gene do fator estimulante de granulócitos. O filgrastim não é uma substância glicosilada porque é produzido pela E. coli, e nisso difere do G-CSF isolado de células humanas. A respeito de seu mecanismo de ação, une-se de forma específica de receptores de superfície das células hematopoéticas e estimula a proliferação, diferenciação e ativação funcional seletiva de várias células finais (inclui o aumento de capacidade fagocitária, do metabolismo da cadeia respiratória e incremento da expressão de algumas funções associadas com antígenos de superfície). A absorção e a depuração de filgrastim seguem um modelo farmacocinético de primeira ordem, independente da dose. Entre a dose parenteral, a concentração plasmática e a área abaixo da curva concentração-tempo pode-se observar uma correlação linear positiva. Após a administração subcutânea, o pico plasmático encontra-se entre as 2 e 8 horas, dependendo da dose. A meia-vida de eliminação em voluntários sãos e em pacientes com câncer é de três horas e meia aproximadamente. Não foi comprovada acumulação derivada do uso contínuo (20 dias).

Indicações

Doença maligna não mieloide com terapêutica antineoplásica mielossupressora associada, com uma significativa incidência de neutropenia grave (menor que 500 cel/mm3). Neutropenia febril.

Posologia

Por via subcutânea ou intravenosa, 5 mg/kg/dia numa única injeção diária. Deve ser realizada uma contagem de glóbulos brancos e de plaquetas antes de iniciar a terapêutica com G-CSF e, como controle, 2 vezes por semana durante o tratamento. As doses podem ser aumentadas 5 mg/kg após cada ciclo quimioterápico, de acordo com a duração e gravidade da neutropenia. O filgrastim não deve ser administrado antes de passadas as primeiras 24 horas pós-quimioterapia citotóxica. Não pode ser administrado nas 24 horas anteriores à quimioterapia. Filgrastim deve ser administrado diariamente durante 2 semanas até alcançar uma contagem de leucócitos de 10.000/mm3. Quando é suspenso, ocorre uma diminuição de 50% de neutrófilos circulantes, em 1 a 2 dias, com retorno aos valores anteriores ao tratamento entre o 1º e o 7º dias. Deve ser usada uma única dose por ampola e esta não deve ser reutilizada.

Reações adversas

Não foram descritos efeitos adversos graves. Dores musculoesqueléticas moderadas (10%) e graves (3%), febre, hipotensão, diarreia, fadiga, disúria leve e moderada. Elevação, reversível, leve e moderada e dependente da dose, de desidrogenase lática, fosfatase alcalina e glutamil transpeptidase. Foram informados casos de aumento do tecido hematopoético extramedular. Foi observado um aumento mínimo de monócitos e eosinófilos.

Precauções

O fator estimulante de colônia de granulócitos pode provocar in vivo e in vitro crescimento de células mieloides e não-mieloides. Não foram estabelecidas a segurança e a eficácia da administração de G-CSF em pacientes com mielodisplasia, leucemia mielocítica aguda ou mieloide crônica, razão pela qual deve ser empregado com grande precaução em qualquer neoplasia mieloide. É aconselhável monitorar a densidade óssea em mulheres com doenças osteoporóticas submetidas a tratamento por mais de 6 meses. Não é recomendável sua utilização em pacientes com alteração grave da função hepática e renal. Não foi estabelecida segurança durante a gravidez e recomenda-se evitar na lactação por causa do possível risco tóxico.

Interações

Não é reconhecida a interação com citocinas e outros fatores de crescimento hematopoético. Incompatibilidade: não deve ser diluída em solução salina.

Contraindicações

Hipersensibilidade reconhecida ao filgrastim ou seus componentes. Não deve ser utilizada para incrementar a dose de quimioterápicos citotóxicos além dos regimes de dose estabelecidos para estes.

Remédio que contêm Filgrastim