GLIMEPIRIDA Informações da substância

Ações terapêuticas

Hipoglicemiante oral.

Propriedades

É um hipoglicemiante, derivado das sulfonilureias, que promove o aumento da secreção de insulina por parte das células beta das ilhotas pancreáticas. Além disso, foram indicados outros mecanismos como a diminuição da glicogenólise e da gliconeogênese hepática, aumentando ao mesmo tempo a sensibilidade dos tecidos extrapancreáticos à insulina. Possui uma boa, rápida e completa absorção digestiva após sua administração por via oral. Sua principal forma de biotransformação metabólica é realizada em nível do fígado, para ser excretada por via renal e biliar.

Indicações

Diabetes mellitus não-insulinodependente (do tipo II) do adulto em indivíduos que não podem estabilizar sua glicemia adequadamente mediante dieta, exercício físico e diminuição de peso.

Posologia

A dose inicial aconselhada é de 1 mg uma única vez por dia. Essa dose pode ser aumentada gradualmente segundo os seguintes incrementos: 2 mg, 3 mg, 4 mg, 6 mg e 8 mg. A ingestão da medicação deve ser realizada imediatamente antes do café da manhã ou, em caso de não tomar café da manhã, antes da primeira refeição principal. É importante não suprimir refeições depois de ter recebido o fármaco quando a resposta ao mesmo diminui. É necessário lembrar que poderia ser necessário um ajuste posológico naqueles pacientes que variam seu peso ou estilo de vida.

Reações adversas

São as comuns para outras sulfonilureias: cefaleia, rash cutâneo, prurido, urticária, astenia, sonolência, depressão, náuseas, vômitos, tremores, confusão, transtornos do sono ou da visão, tonturas, diarreia, colestase, icterícia. Pode causar hipoglicemia prolongada e severa com sinais neurológicos, respiração superficial, bradicardia, colapso vascular e coma similares a um ictus cerebral. Em casos isolados pode-se observar vasculite alérgica ou hipersensibilidade da pele à luz.

Precauções

Sob certas circunstâncias podem apresentar-se casos isolados de trombocitopenia, leucopenia, anemia hemolítica, insuficiência hepática com colestase e icterícia, por isso a necessidade de realizar controles humorais periódicos do funcionamento hemático e hepático. A capacidade de reação pode estar afetada devido a uma hiperglicemia ou hipoglicemia especialmente para conduzir veículos ou maquinarias perigosas. Durante a gravidez os pacientes devem substituir o tratamento por insulina.

Interações

A ingestão de álcool tanto aguda como crônica pode aumentar ou diminuir a ação hipoglicemiante do fármaco. O efeito hipoglicemiante pode ser potencializado se forem associados IMAO, IECA, fibratos, fluoxetina, miconazol, quinolonas, pirazolonas, tetraciclina, salicilatos, cloranfenicol, probenicida, sulfonamidas, esteroides anabólicos e hormônios sexuais masculinos. A associação com os seguintes fármacos pode diminuir o efeito hipoglicemiante e aumentar a glicemia: diuréticos, barbitúricos, corticosteroides, adrenalina, fenitoína, anti-histamínicos H2, betabloqueadores, clonidina, glucagon, laxantes, estrogênios, progestagênios, ácido nicotínico, fenotiazinas, rifampicina e acetazolamida.

Contraindicações

Diabetes mellitus insulinodependente (do tipo I). Cetoacidose diabética. Pré-coma ou coma diabético. Antecedentes de hipersensibilidade ao fármaco ou às sulfoniluréias em geral. Gravidez e lactação. Sepsia grave em diabéticos.

Remédio que contêm Glimepirida