IVABRADINA - Interações

Recomenda-se não administrar simultaneamente com substâncias cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (quinidina, disopiramida, bepridil, sotalol, ibutilida, amiodarona), drogas não cardiovasculares que prolongam o intervalo QT (pimozida, ziprasidona, sertindol, mefloquina, halofantrina, pentamidina, cisaprida, eritromicina IV), devido a que o prolongamento do intervalo QT pode ser agravado com a diminuição da frequência cardíaca. Caso essa associação se faça necessária, deve-se instituir monitoração cardíaca. Como a ivabradina é metabolizada exclusivamente pelo CYP3A4 e é um inibidor muito pouco efetivo sobre este citocromo, não há alteração da farmacocinética de outros substratos do CYP3A4 (inibidores discretos, moderados e potentes). Os inibidores e indutores do CYP3A4 podem interagir com a ivabradina e influir em seu metabolismo e farmacocinética em um grau clinicamente significativo. Está contraindicada a administração concomitante com inibidores potentes do CYP3A4 como antifúngicos azólicos (cetoconazol, itraconazol), antibióticos macrolídeos (claritromicina, eritromicina por via oral, josamicina, telitromicina), inibidores da protease do HIV (nelfinavir, ritonavir) e nefazodona, nem com inibidores moderados do CYP3A4 (diltiazem ou verapamil). Recomenda-se administrar com precaução com inibidores moderados do CYP3A4 (fluconazol). Não administrar juntamente com suco de toranja (grapefruit ou pomelo), pois ocorre aumento da biodisponibilidade do fármaco. Os indutores do CYP3A4 (rifampicina, barbitúricos, fenitoína, Hypericum perforatum ou erva-de-são-joão) podem reduzir a exposição e a atividade da ivabradina. Recomenda-se ajustar a dose. Não se recomenda o uso concomitante de ivabradina com antagonistas do cálcio redutores da frequência cardíaca, como verapamil ou diltiazem. Não está estabelecida uma eficácia adicional da ivabradina quando em associação com antagonistas do cálcio derivados da diidropiridina.