LAMIVUDINA Informações da substância

Propriedades

A lamivudina é uma agente antiviral com ação sobre o vírus da imunodeficiência humana tipo 1 (HIV-1) e sobre o HIV-2. O mecanismo de ação da lamivudina baseia-se na inibição da síntese dos ácidos nucleicos. Uma vez dentro da célula, a molécula de lamivudina é transformada em lamivudina-5'-trifosfato, cuja meia-vida intracelular é de 10,5 a 15,5 horas; esse metabólito não afeta de maneira significativa a atividade polimerizante da transcriptase reversa do HIV, podendo ser incorporado por essa enzima à cadeia de genoma em formação do HIV; lamivudina-5'-trifosfato produz um extremo terminal sem o hidroxilo 3' necessário para incorporar o nucleotídeo seguinte à cadeia, resultando em uma finalização prematura da formação do genoma viral. A afinidade da lamivudina-5'-trifosfato pela transcriptase reversa é maior do que pela DNA polimerase celular normal, portanto possui ação seletiva (dose-dependente) sobre os fragmentos dos ácidos nucleicos virais. A lamivudina possui poucos efeitos tóxicos sobre as séries de células semidiferenciadas da medula óssea e sobre os linfócitos e macrófagos circulantes, levando a um índice terapêutico elevado. A lamivudina é bem absorvida por via oral (biodisponibilidade em adultos 80%-85%) e atinge o pico máximo de concentração plasmática uma hora após a administração; possui meia-vida de 5 a 7 horas e seu volume de distribuição é de 1,5 litro/kg. 80% da dose são eliminados por via renal (secreção tubular ativa), e 10% são metabolizados no fígado. Em caso de deficiência renal, ajustar a dose de lamivudina. A lamivudina atravessa a barreira hematoencefálica e atinge concentrações aproximadamente equivalentes a 12% da concentração plasmática. Verificou-se a segurança da combinação didanosina, zidovudina e lamivudina no tratamento da infecção por HIV.

Indicações

Como fármaco isolado ou como adjuvante no tratamento dos pacientes infectados por HIV.

Posologia

Adultos: 300 mg de lamivudina por dia, divididos em duas doses, e associados com 600 mg/dia de zidovudina (divididos em duas doses). Crianças: 8 mg/kg/dia de lamivudina, em duas doses, até o máximo de 300 mg/dia de lamivudina, associados com 360 a 720 mg/m2 de zidovudina por dia (divididos em duas doses). Dose máxima de zidovudina: 200 mg cada 6 horas. Em pacientes adultos com função renal alterada proceder da seguinte maneira: quando o clearance de creatinina (CC) encontra-se entre 50 e 30 ml/minuto, aconselha-se uma dose inicial de 150 mg de lamivudina e uma dose de manutenção de 150 mg/dia de lamivudina; quando o CC está entre 30 e 5 ml/minuto, sugere-se dose inicial de 150 ml de lamivudina, porém não são recomendadas administrações ulteriores do fármaco; quando o CC encontra-se abaixo dos 5 ml/minuto, não é recomendada a administração de lamivudina. Em pacientes pediátricos com disfunção renal deve-se reduzir proporcionalmente a dose de lamivudina de acordo com o prescrito para adultos.

Superdosagem

Em experiência acidental de superdose não foram observados efeitos severos, e todos os pacientes recuperam-se favoravelmente. O tratamento deve ser sintomático.

Reações adversas

Em geral é bem tolerada. Devido ao fato de que a lamivudina é geralmente utilizada em associação com a zidovudina foram observados os seguintes efeitos adversos que podem ocorrer devido à associação ou ao estado patológico subjacente: pancreatite, neuropatia periférica, mal-estar, fadiga, dor abdominal, parestesia, exantema, cefaleia, náusea, vômito, febre, diarreia. Podem ocorrer outros efeitos devido, exclusivamente, ao componente zidovudina na administração associada (vide zidovudina).

Precauções

Deve ser comunicado aos pacientes que o uso da lamivudina e qualquer outro antirretroviral não impede a transmissão da doença (Aids) por contatos sexuais e através da contaminação com sangue. Administrar com precaução em pacientes com hepatopatia ocasionada pelo vírus B (HBV), devido ao risco de hepatite reincidente como consequência do tratamento com lamivudina. Por não existirem evidências conclusivas não é recomendado o tratamento em gestantes a menos que os benefícios para a mãe superem o risco potencial para o feto. A lactação deve ser suspensa se a mãe recebe o medicamento. A eficácia e a segurança do fármaco em crianças menores de 3 meses não foram estabelecidas.

Interações

A trimetoprima (componente do contrimoxazol) causa uma leve elevação dos níveis plasmáticos de lamivudina; no entanto, não é necessário ajuste de dose salvo em pacientes com função renal comprometida. Existe a possibilidade de interação com outros fármacos de eliminação renal preferencial.

Contraindicações

Hipersensibilidade à lamivudina. Na administração conjunta com zidovudina devem ser observadas as contra-indicações desse fármaco.

Remédio que contêm Lamivudina