LATANOPROSTA Informações da substância

Ações terapêuticas

Anti-hipertensivo ocular.

Propriedades

É um agente antiglaucomatoso que reduz a pressão intraocular elevada nos pacientes com glaucoma de ângulo aberto e na hipertensão ocular. Pode causar alteração gradativa da dor do olho por aumentar a quantidade de pigmento marrom na íris. Este efeito é produzido pelo aumento da melanina nos melanócitos do estroma da íris, sendo mais evidente nos olhos de cor mista (azul-marrom, cinzento-marrom, verde-marrom ou amarelo-marrom). A pigmentação marrom em torno da pupila se estende concentricamente em direção à periferia quando o olho é afetado; a íris pode tornar-se mais marrom em setores ou totalmente. Essa alteração de cor não está associada a nenhum sintoma patológico. Em pacientes com olhos homogeneamente azuis, cinzentos, verdes ou marrons, raramente foram detectadas alterações de cor em tratamentos de até 2 anos de duração. Nem os nervos nem as peças da íris são afetados pelo tratamento; não se observa acúmulo de pigmento na malha trabecular nem em outro local da câmara anterior.

Indicações

Hipertensão ocular e glaucoma de ângulo aberto.

Posologia

Adultos: tópica, 1 gota por dia, preferivelmente durante as primeiras horas da noite.

Superdosagem

Em seres humanos não se observaram efeitos adversos graves com doses de até 10 mg/kg em infusão intravenosa. A sobredose de latanoprosta causa irritação e hipertermia conjuntival. Em caso de ingestão acidental, o tratamento a seguir deve ser sintomático.

Reações adversas

As mais comuns são: ligeira sensação de corpo estranho durante os primeiros 2 ou 3 dias de tratamento, hipertermia leve a moderada, pigmentação da íris, erosões dérmicas de etiologia incerta, erosões epiteliais puntuais e visão turva transitória durante a instilação.

Precauções

Recomenda-se não aumentar a dose pois o efeito redutor da pressão intraocular é reduzido. A instilação de outros colírios deve ser feita com intervalo de 5 minutos após a utilização da latanoprosta. Pacientes que usem lentes de contato deverão retirá-las antes do uso da latanoprosta e esperar 15 minutos antes de recolocá-las. Deve-se ponderar a relação risco/benefício antes de usar o fármaco durante a gravidez, já que foram detectados efeitos farmacológicos de risco para o feto. Estudos realizados em coelhos tratados com doses intravenosas 100 vezes superiores à dose humana revelaram severa toxicidade embriofetal. Sua administração a mães na fase de amamentação deve ser feita com prudência. Aos pacientes com cor de íris mista recomenda-se empregar este colírio apenas quando houver intolerância a outros hipotensores oculares. Não se aconselha o uso unilateral de latanoprosta, dada a possibilidade de heterocromia permanente. Não se comprovou sua eficácia em pacientes com glaucoma inflamatório, neovascular, de ângulo estreito ou congênito, assim como no glaucoma de ângulo aberto de pacientes com pseudofaquia e em glaucoma pigmentar.

Interações

Medicamentos com ação hipotensora ocular (timolol, adrenalina, acetazolamida e pilocarpina) potenciam o efeito da latanoprosta. Não se estudaram interações com outros medicamentos.

Contraindicações

Hipersensibilidade conhecida a latanoprosta.

Remédio que contêm Latanoprosta