PARICALCITOL Informações da substância

Ações terapêuticas

Regulação da homeostasia mineral e do metabolismo ósseo. Análogo da vitamina D.

Propriedades

É um análogo sintético da vitamina D, que diminui os níveis de hormônio paratireoide (PTH). Após sua administração por via intravenosa em bolo, as concentrações plasmáticas do fármaco diminuem, numa primera fase, em forma rápida e a seguir em forma linear logarítmica, com uma meia-vida aproximada de 15 horas. Até o momento não se observou acúmulo de paricalcitol pela administração de doses múltiplas. A união a proteínas plasmáticas in vitro é de aproximadamente 99,9%. É metabolizado no fígado, porém os metabólitos formados ainda não foram identificados. A eliminação é feita principalmente por vias urinária e fecal. Não se conhecem os detalhes de sua farmacocinética em populações especiais (idosos, crianças, pacientes com insuficiência hepática).

Indicações

Prevenção e tratamento do hiperparatireoidismo secundário associado com insuficiência renal crônica.

Posologia

Dose inicial: via intravenosa, 0,04 mg/kg e 0,1 mg/kg administrados em bolo com uma frequência não maior a dias alternados, em qualquer momento durante a diálise. Em ausência de uma resposta satisfatória, a dose poderá ser aumentada em 2 a 4 mg a intervalos de 2 a 4 semanas. Dose máxima: 0,24 mg/kg.

Superdosagem

A superdosagem pode provocar hipercalcemia que está associada aos seguintes sinais e sintomas: precoces: debilidade, cefaleia, sonolência, náuseas, vômitos, xerostomia, constipação, mialgias e artralgias e gosto metálico; tardios: anorexia, perda de peso, conjuntivite (calcárea), pancreatite, fotofobia, rinorreia, prurido, hipertermia, diminuição da libido, elevação das taxas circulantes de nitrogênio ureico, hipercolesterolemia, TGO e TGP elevadas, calcificação ectópica, hipertensão, arritmias cardíacas, sonolência. O tratamento de pacientes com hipercalcemia clinicamente significativa consiste na redução ou suspensão imediata da administração de paricalcitol e administração de dieta hipocálcica, suspensão dos suplementos cálcicos, movimentação do paciente, tratamento do desequilíbrio hidroeletrolítico, avaliação de anormalidades eletrocardiográficas e hemodiálise ou diálise peritoneal contra um dializado isento de cálcio, conforme o caso. A calcemia deverá ser controlada com frequência até alcançar valores normais.

Reações adversas

Compreendem calafrios, mal-estar, palpitações, náuseas, vômitos, edema, enjoos, hemorragia gastrintestinal.

Precauções

Durante a fase inicial do tratamento, recomenda-se determinar a calcemia e a fosfatemia com frequência (p.ex., duas vezes por semana). Uma vez estabelecida a posologia, é aconselhável determinar mensalmente as concentrações plasmáticas de fósforo e cálcio e realizar dosagens séricas de PTH a cada 3 meses. O paricalcitol não revelou toxicidade genética in vitro com ou sem ativação metabólica no ensaio de mutagenicidade microbiana (teste de Ames), ensaio de mutagenicidade em linfomas de camundongos (L5178Y) ou em um ensaio de aberração cromossômica em linfócitos humanos. Igualmente, não se observou evidência de toxicidade genética em um ensaio in vivo em micronúcleos de camundongos. Dado que não se realizaram estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas, recomenda-se administrar durante a gravidez unicamente se os benefícios potenciais justificarem o risco para o feto. Não se sabe se o fármaco é eliminado no leite materno, razão pela qual recomenda-se suspender a amamentação caso seja necessária a administração desta substância. Como não foram estudadas a segurança e a eficácia do paricalcitol em crianças, recomenda-se não administrar nesta faixa etária. Não é necessário ajuste de doses em pacientes idosos ( > 65 anos).

Interações

Não administrar simultaneamente com substâncias que contenham fosfato ou vitamina D. Administrar com precaução juntamente com substâncias digitálicas visto que a intoxicação por estes fármacos é potencializada por hipercalcemia de qualquer origem.

Contraindicações

Pacientes com antecedentes de intoxicação por vitamina D, hipercalcemia ou hipersensibilidade ao fármaco.

Remédio que contêm Paricalcitol