PROPACETAMOL Informações da substância

Ações terapêuticas

Antipirético. Analgésico.

Propriedades

Trata-se de uma pró-droga, formada pela união entre a N,N-dietilglicina e o paracetamol, e que, na forma do sal cloridrato de propacetamol, pode ser administrada por via intramuscular ou intravenosa. A eficácia clínica do propacetamol como analgésico e antipirético é similar à dos anti-inflamatórios não esteroidais ácidos, porém é ineficaz como anti-inflamatório. Quando ao mecanismo de ação, postula-se que teria uma maior afinidade pelas enzimas centrais em comparação com as periféricas e, dado que na inflamação ocorre exsudação plasmática, os anti-inflamatórios não-esteroidais ácidos (com alto grau de união a proteínas plasmáticas) seriam exsudados juntamente com a albumina e alcançariam assim altas concentrações no foco inflamatório. Tal fato não ocorreria com o paracetamol em virtude de sua pequena ligação com a albumina. A união com proteínas plasmáticas é variável. A eliminação é produzida por biotransformação hepática através da conjugação com ácido glicurônico (60%), com ácido sulfúrico (35%) ou com cisteína (3%). As crianças têm menor capacidade que os adultos para glicuronidar o fármaco. Pequena proporção de paracetamol sofre N-hidroxilação mediada pelo citocromo P450 para formar um intermediário de alta reatividade, o qual normalmente reage com os grupamentos sulfidrila da glutationa.

Indicações

Cefaleias, odontalgia e febre.

Posologia

Adultos: 500 mg a 1.000 mg por vez, sem superar os 4 g por dia.

Reações adversas

Em geral é bem tolerada. Não foram descritos fenômenos gastrirritantes ou ulcerogênicos. Em raras ocasiões apresentaram-se erupções cutâneas e outras reações alérgicas. Raramente os pacientes com hipersensibilidade aos salicilatos exibem essa reação para o propacetamol. Outros efeitos que podem apresentar-se são necrose tubular renal e coma hipoglicêmico. Alguns metabólitos do propacetamol podem produzir metemoglobinemia. O efeito adverso mais grave descrito com uma superdose aguda de paracetamol é a necrose hepática, dose-dependente, potencialmente fatal. A necrose hepática (e a necrose tubular renal) é o resultado de um desequilíbrio entre a produção do metabólito altamente reativo e a disponibilidade de glutationa. Com disponibilidade normal de glutationa, a dose letal de paracetamol é de aproximadamente 10 g, porém há várias causas que podem diminuir esta dose (tratamento concomitante com doxorrubicina ou alcoolismo crônico). O tratamento deve ser iniciado com N-acetilcisteína por via intravenosa sem esperar o aparecimento dos sintomas, pois a necrose é irreversível.

Precauções

Existem relatos de reações alérgicas entre o pessoal de enfermagem que prepara a aplicação de propacetamol. O uso deve ser cuidadoso em pacientes alcoólatras, tratados com indutores enzimáticos ou com drogas que consomem glutationa (doxorrubicina). Em pacientes alérgicos ao ácido acetilsalicílico, o propacetamol pode provocar reações alérgicas tipo broncospasmo.

Interações

A associção com anti-inflamatórios não-esteroidais pode potencializar os efeitos terapêuticos, porém, pode aumentar também os efeitos tóxicos.

Contraindicações

Hipersensibilidade reconhecida ao fármaco.