RISEDRONATO Informações da substância

Ações terapêuticas

Antiosteoporótico. Regenerador ósseo.

Propriedades

Trata-se de um moderno derivado bifosfônico (piridinil-bifosfonato) que, assim como outros agentes similares (alendronato, pamidronato, clodronato), inibe a reabsorção óssea mediada por osteoclastos. Liga-se à hidroxiapatita óssea, reduzindo assim a renovação do osso, ao mesmo tempo que preserva a atividade osteoblástica e a mineralização óssea. Em estudos pré-clínicos o risedronato demonstrou possuir potente atividade antiosteoclástica e anti-reabsortiva, além de aumentar na dependência da dose a massa óssea e a força biomecânica esquelética. A atividade do risedronato sódico foi confirmada pela dosagem dos marcadores bioquímicos da renovação óssea no curso de estudos farmacodinâmicos e clínicos. As diminuições desses marcadores bioquímicos da renovação óssea foram comprovadas durante o primeiro mês e alcançaram o efeito máximo em 3 a 6 meses. Após a administração oral, o risedronato é rapidamente absorvido, alcançando a sua Tmáx aos 60 minutos; isto ocorre independentemente da dose (na faixa de 2,5 a 30 mg), não existindo diferenças entre homens e mulheres. A biodisponibilidade média é de 0,63% e diminui quando o fármaco é administrado juntamente com alimentos. Sua ligação protéica é da ordem de 24% e não se reconhece metabolismo sistêmico. Aproximadamente a metade da dose absorvida é eliminada pela urina dentro de 24 horas, e 85% da dose intravenosa é recuperada na urina após 28 dias. A depuração renal média é de 105 ml/min, e a depuração média total é de 122 ml/min, sendo esta diferença atribuída provavelmente à depuração devida a certa adsorção do fármaco ao osso. A depuração renal não depende da concentração, havendo correlação linear entre a depuração renal e a depuração de creatinina. O fármaco não absorvido é eliminado na forma inalterada nas fezes. Após a administração intravenosa, o perfil de concentração x tempo mostra 3 fases de eliminação, com uma meia-vida terminal de 480 horas.

Indicações

Prevenção e tratamento da osteoporose pós-menopáusica ou por tratamento prolongado com corticosteroides.

Posologia

A partir dos 18 anos recomendam-se 5 mg por via oral a cada 24 horas, administrados longe das refeições (30 minutos antes ou 2 horas depois), visto que estas afetam sua absorção e biodisponibilidade. Aconselha-se administrar o comprimido em posição ortostática e com líquido abundante; os pacientes não devem deitar-se durante os 30 minutos imediatos à tomada do medicamento. Não é necessário ajustar a dose em pacientes idosos ou com distúrbios da função renal.

Superdosagem

Não há informação específica para o tratamento da superdose com risedronato. Depois de uma superdose substancial pode-se esperar diminuição da concentração sérica de cálcio. Em alguns pacientes podem aparecer sintomas de hipocalcemia. Deverão ser administrados leite ou antiácidos que contenham magnésio, cálcio ou alumínio para ligar o risedronato e assim reduzir sua absorção. Em casos de superdose importante deve-se considerar a conveniência de realizar lavagem gástrica com o propósito de eliminar o fármaco ainda não absorvido.

Reações adversas

Ocasionalmente foram registradas dores abdominais, glossite, dispepsia, mialgias, cefaleia, irite de caráter leve e que não obrigou a interrupção do tratamento.

Precauções

Os alimentos, bebidas (exceto água) e fármacos que contenham cátions polivalentes (com cálcio, magnésio, ferro e alumínio) podem interferir com a absorção do risedronato e não devem portanto ser ingeridos simultaneamente. Alguns bifosfonatos têm sido relacionados com incidência de esofagites e com ulcerações esofágicas. Assim, deve-se seguir com rigor as instruções posológicas. O médico deve enfatizar a importância de obedecer às instruções de dose, particularmente aos pacientes com antecedentes de transtornos esofágicos (p.ex. contrição ou acalasia). A hipocalcemia deve ser tratada previamente ao ínicio do tratamento. Outras alterações ósseas e do metabolismo mineral (p.ex. disfunção paratireóidea, hipovitaminose D) devem ser tratadas no momento de iniciar o tratamento com risedronato.

Interações

Este fármaco não deve ser associado com medicamentos que contenham cátions polivalentes como ferro, alumínio, cálcio e magnésio, dada a possibilidade de estes interferirem com a biodisponibilidade do risedronato. Na osteoporose pós-menopáusica, pode ser associado com terapia de substituição hormonal com estrógenos.

Contraindicações

Hipersensibilidade ao fámaco. Hipocalcemia. Doença ulcerativa esôfago-gastroduodenal. Gravidez e amamentação.