SAQUINAVIR Informações da substância

Ações terapêuticas

Antiviral contra o HIV.

Propriedades

Pertence à família dos inibidores da protease (ritonavir, indinavir, nelfinavir) do vírus da imunodeficiência adquirida (HIV). A protease deste vírus cliva um precursor de uma poliproteína viral para gerar um derivado funcional necessário para a maturação das partículas virais. O saquinavir é um análogo sintético de estrutura peptídica que inibe a atividade da protease, o que impede a disseminação do HIV. Estudos in vitro demonstraram que é eficaz tanto em infecções agudas como crônicas, e apresentou maior ação antiviral em combinação com zidovudina, zalcitabina e didanosina, sem aumento na citotoxicidade. Após sua absorção pelo trato digestório, pode ser detectado no sangue unido a proteínas plasmáticas. Seu metabolismo é principalmente hepático e sua eliminação é realizada pelas vias renal e fecal. Recomenda-se administrá-lo dentro das duas horas após realizada a ingestão de alimentos, pois de outro modo suas concentrações plasmáticas diminuem significativamente, e não desenvolve sua ação terapêutica.

Indicações

Tratamento combinado com zalcitabina, ou zidovudina, ou ambas, em pacientes com doença avançada pelo vírus da imunodeficiência adquirida (HIV) e contagens de linfócitos CD4 ≥ 300/mm3, tratados previamente com zidovudina.

Posologia

Dose: 600 mg três vezes ao dia, dentro das 2 horas posteriores à ingestão de alimentos. Cada dose deve ser administrada juntamente com 0,75 mg de zalcitabina ou 200 mg de zidovudina.

Superdosagem

Não se observaram sequelas nem sinais de toxicidade aguda em um paciente que recebeu uma dose única de 8 g de saquinavir e foi posteriormente provocado vômito dentro de 2 a 4 horas após a ingestão. Estudos de fase 2 demonstraram ausência de toxicidade grave dentro das primeiras 25 semanas de tratamento com dose de 7,2 g ao dia (1,2 g a cada 4 horas).

Reações adversas

As mais comuns são: diarreia, dores abdominais e náuseas. Ocasionalmente podem manifestar-se confusão, ataxia e fraqueza; leucemia mieloblástica aguda, anemia hemolítica, tentativa de suicídio, síndrome de Stevens-Johnson, reações cutâneas graves associadas com aumento da função hepática, aumento dos níveis plasmáticos das transaminases, tromboflebite, cefaleia, nefrolitíase, pancreatite grave.

Precauções

Recomenda-se realizar hemogramas e hepatogramas periódicos durante o tratamento. Não se conhece a eficácia do tratamento com saquinavir em pacientes com idade inferior a 16 anos ou superior a 60 anos infectados por HIV. Sua administração deve ser realizada com precaução em pacientes com insuficiência hepática grave. Não associar com rifampicina pelo risco de produzir toxicidade hepática aguda.

Interações

Drogas que aumentam o metabolismo hepático de saquinavir causando, portanto, diminuição de sua concentração plasmática: rifampicina, rifabutina, fenobarbital, fenitoína, dexametasona e carbamazepina. Drogas cujo metabolismo é diminuído, consequentemente aumentando o risco de cardiotoxicidade pela administração de saquinavir: pimozida, astemizol, terfenadina e cisaprida.

Contraindicações

Hipersensibilidade ao saquinavir.