SóDIO, FENILACETATO Informações da substância

Ações terapêuticas

Antiamoniêmico.

Propriedades

O fenilacetato de sódio é um composto metabolicamente ativo que diminui as concentrações sanguíneas de amônia em pacientes com alterações na síntese de ureia (enzimopatias do ciclo da ureia). Exerce sua ação mediante reações de conjugação que incluem a acilação de aminoácidos. O fenilacetato de sódio realiza a acilação quando substitui um substrato endógeno com defeito na via metabólica de formação de amônia. Demonstrou-se que se conjuga com a glutamina para formar fenilacetilglutamina; cada mol de fenilacetilglutamina sequestra dois moles de nitrogênio. O gasto de nitrogênio na síntese de fenilacetilglutamina contribui para diminuir a formação de amônia. O local de metabolismo do fenilacetato de sódio é o fígado e a eliminação é renal. Clinicamente, utiliza-se combinado com benzoato de sódio, o que amplia o espectro de ação a um maior número ou tipo de enzimas do ciclo da ureia alteradas. A combinação permite uma sobrevivência média de 80% em pacientes com deficiência total de alguma das enzimas do ciclo da ureia (75% na deficiência de carbamilfosfato sintetase, 59% na deficiência de ornitina transcarbamilase, 96% na deficiência de argininasuccinato sintetase). O diagnóstico precoce é importante na prevenção do desenvolvimento de incapacidades.

Indicações

Estados de hiperamoniemia. Tratamento coadjuvante (benzoato de sódio: fenilacetato de sódio em relação 1:1) na hiperamoniemia causada por deficiência enzimática no ciclo da ureia.

Posologia

Administram-se por via oral 250 mg de fenilacetato de sódio e 250 mg de benzoato de sódio por quilograma por dia. A dose diária total não deve exceder os 10 g de cada componente. Essa combinação deve ser acompanhada por outras medidas terapêuticas para alcançar um controle eficiente da hiperamoniemia por enzimopatias.

Superdosagem

Produz acidose metabólica e colapso circulatório. Tratamento: suspender o fármaco e preparar medidas de suporte e sintomáticas.

Reações adversas

Náuses, vômitos. Exacerbação de úlcera gastroduodenal, hiperventilação moderada, alcalose moderada. Hipernatremia: edema, insuficiência cardíaca congestiva.

Precauções

Administrar com precaução em pacientes com hiperbilirrubinemia: desloca a bilirrubina da albumina. Por não existirem estudos adequados recomenda-se não usar em mulheres grávidas a menos que o benefício para a mãe supere o risco potencial para o feto. O aleitamento deve ser suspenso.

Interações

O ácido valproico pode interferir com a ação do benzoato de sódio e do fenilacetato de sódio. Antibióticos betalactâmicos, probenecida: diminuem a excreção renal dos metabólitos da combinação fenilacetato/benzoato.