URSODESOXICóLICO, áCIDO Informações da substância

Propriedades

Este fármaco, derivado do ácido hidroxicolanoico, reduz a concentração-saturação do colesterol na secreção biliar, favorecendo a dissolução das células na via biliar. Outro efeito farmacológico mencionado é a diminuição das lipoproteínas (LDL) de baixa densidade no plasma sanguíneo. O ácido ursodesoxicólico é ampla e completamente absorvido no trato digestivo (100%), porém sofre um importante fenômeno de biotransformação pelo efeito de primeira passagem hepática. Possui distribuição limitada pelos tecidos, já que é reabsorvido pelo circuito interno hepático; sua ligação com proteínas é elevada (96-99%) e a excreção é preponderantemente fecal. Antes da excreção biliar o fármaco conjuga-se com glicina e taurina no fígado, ocorrendo uma diminuição no índice de saturação do colesterol biliar.

Indicações

Litíase biliar colesterínica (cálculos vesiculares transparentes com diâmetro inferior a 20 mm). Como coadjuvante no tratamento da litíase biliar por ondas de choque (litotripsia), como preventivo em pacientes com alto risco litogênico (terapia com fibratos, dietas de emagrecimento).

Posologia

Em litíase biliar colesterínica: 5-10 mg/kg/dia (450-900 mg/dia); aconselha-se tomar a maior parte da medicação durante a noite. O tratamento deve ser contínuo, prolongado e ininterrupto, até que se comprove por ecografia o desaparecimento dos cálculos, que ocorre, em geral, de 6 a 12 meses. Como tratamento preventivo da litíase ou da dispepsia biliar, a dose aconselhada é de 150 a 300 mg/dia. Se com a litotripsia ocorrer a dissolução dos cálculos litiásicos, o tratamento deve ser continuado com 300 mg/dia durante três meses, já que existe uma porcentagem de pacientes que pode sofrer recorrências.

Reações adversas

São poucos frequentes. Em alguns pacientes provoca dispepsia, aceleração do trânsito intestinal, náuseas, epigastralgias e cefaleias.

Precauções

Não se aconselha seu emprego em crianças e, em indivíduos idosos, deve ser administrado com precaução e com controle médico.

Interações

Diferentes fármacos que se unem aos sais biliares e com agentes quelantes (colestipol, colestiramina, antiácidos) podem interferir na absorção digestiva do ácido ursodesoxicólico. A associação como monoterpinas ou dietas hipocolesterínicas pode facilitar a ação antilitisíaca.

Contraindicações

Hepatopatias agudas (hepatite), icterícia obstrutiva, obstrução completa, com hipertensão, da via biliar. Hipersensibilidade ao fármaco. Gravidez, lactação. Patologias orgânicas inflamatórias do trato gastrintestinal. Vesícula excluída e não-funcionante ou com litíase cálcica.

Remédio que contêm Ursodesoxicólico, ácido