ZOLEDRôNICO, áCIDO Informações da substância

Ações terapêuticas

Inibidor da reabsorção osteoclástica.

Propriedades

O ácido zoledrônico pertence a uma nova classe de bifosfonatos que atuam especificamente no osso, causando inibição da reabsorção osteoclástica sem interferir com a formação, a mineralização ou as propriedades mecânicas do osso. A ação ostesseletiva está baseada em sua alta afinidade por osso mineralizado, porém o mecanismo molecular exato que fundamenta a inibição da atividade osteoclástica é, até o momento, desconhecido. O ácido zoledrônico caracteriza-se por diminuir a calcemia e a calciúria em pacientes com hipercalcemia induzida por neoplasias. Estudos in vitro demonstraram que o fármaco exerce efeito antineoplásico direto em culturas de células humanas de mieloma e neoplasia mamária, inibindo a proliferação e induzindo apoptose; além disto, inibe a proliferação celular do endotélio humano, e apresenta atividade antiangiogênica em animais. Por outro lado, a observação de que o ácido zoledrônico reduz a invasão de células neoplásicas de tecido mamário humano através da matriz extracelular in vitro constituiria indicação de que o fármaco poderia apresentar propriedades antimetastáticas. O ácido zoledrônico não é metabolizado, sendo eliminado por via renal. Sua ligação com proteínas plasmáticas é reduzida (aproximadamente 22%). É eliminado no leite materno, porém é pouco absorvido a partir do trato gastrintestinal; forma um complexo praticamente não-absorvível com o cálcio do leite. Não há dados farmacocinéticos disponíveis em relação ao ácido zoledrônico em pacientes com hipercalcemia, insuficiência renal ou insuficiência hepática.

Indicações

Hipercalcemia induzida por neoplasias ou tumores.

Posologia

Hipercalcemia (concentração de cálcio sérico corrigida pela albumina: ≥ 12 mg/dl ou 3 mmol/l): via intravenosa, 4 mg. Os pacientes que mostrem uma resposta completa (normalização do cálcio sérico 2,7 mmol/l) e que recaem ou que são refratários ao tratamento inicial, podem receber uma nova dose intravenosa de 8 mg. Considera-se que o tempo até a recaída possa ser de 30 dias com uma dose de 4 mg e de 40 dias com uma dose de 8 mg.

Superdosagem

Não existem antecendentes de intoxicação aguda. Caso ocorra hipocalcemia clinicamente significativa, recomenda-se uma infusão de gluconato de cálcio.

Reações adversas

As principais compreendem síndrome pseudogripal com febre, calafrios, artralgias, mialgias, vômitos, vermelhidão ou tumefação na região da administração do fármaco, erupção e prurido.

Precauções

Antes do início do tratamento recomenda-se controlar os parâmetros metabólicos relacionados com a hipercalcemia, como as concentrações séricas de cálcio, fosfato, magnésio e a creatinina sérica. Em razão de os bifosfonatos em geral terem sido associados com comprometimento renal, recomenda-se não administrar a pacientes com insuficiência renal grave ou com níveis de creatinina sérica elevados. Em função desta consideração, recomenda-se avaliar o nível de creatinina sérica previamente a uma nova administração de ácido zoledrônico. Em razão da inexistência de dados clínicos e farmacocinéticos disponíveis, recomenda-se não administrar ácido zoledrônico em crianças ou indivíduos com insuficiência hepática grave, durante a gravidez e a lactação. O ácido zoledrônico não possui efeitos mutagênicos nem carcinogênicos, e não causou teratogenicidade nem fetotoxidade, porém sem toxicidade materna.

Interações

Recomenda-se administrar com precaução com aminoglicosídeos, pois ambos os fármacos podem exercer efeitos aditivos, tendo como resultado uma menor concentração de cálcio e magnésio sérico durante períodos mais prolongados do que o necessário. Não foram detectadas interações medicamentosas com agentes antineoplásicos, diuréticos, antibióticos e analgésicos.

Contraindicações

Pacientes com hipersensibilidade ao fármaco.

Remédio que contêm Zoledrônico, ácido